‘O mercado é muito dinâmico, existem muitas verdades, mas a maioria delas não é imutável’

Em um ano atípico para shows e espetáculos em todo o mundo, conversamos com um dos mais renomados produtores, Tato Lemos, que nos fala um pouco de sua trajetória e também as expectativas pós-Pandemia.

Olá, seguidores da nossa Intertv Web! Nesse domingo (21/06) quem entrevisto na “Coluna Bate-Papo” é uma pessoa super simpática, humilde e acima de tudo com um carisma contagiante, e nos últimos anos esteve à frente, junto com diversas parcerias, dos principais eventos de Ribeirão Preto. O nosso bate-papo de hoje é com Gustavo Henrique de Lemos Schalch, o popular Tato Lemos.

Atualmente com 46 anos, Tato é administrador e produtor de eventos, mas trabalhou por aproximadamente 20 anos na área comercial das maiores indústrias gráficas do país, em Minas Gerais, Distrito Federal e São Paulo.

“Sou formado em Administração e trabalhei por quase 20 anos na área comercial de diversas indústrias gráficas, mas em 2014 mudei para Ribeirão Preto, vindo de São Paulo e abri uma produtora de eventos. Sempre fui muito ligado à música, comprei minha primeira guitarra com 13 anos, depois de ouvir uma música do Peter Frampton”, conta Tato Lemos.

Tato que no começo fez parte de bandas hoje atua 100% nos bastidores, é proprietário da CMS Produtora, mas quando tem tempo gosta de pegar a guitarra e fazer um som.

Vamos tomar uma cerveja artesanal e gelada com o nosso entrevistado, e saber um pouco mais sobre sua vida, carreira profissional, histórias, produções e muito mais.

Tato Lemos está à frente da produtora CMS, desde 2014, e tem proporcionado grandes eventos
Foto: Nátaly Schiavon

Intertv Web – Hoje você está nos bastidores dos eventos, mas chegou a participar de bandas como músico. Por que optou por ficar atrás das câmeras?

Gustavo Henrique de Lemos Schalch (Tato Lemos) – Desde muito novo, me interessei pela música não apenas como arte, mas como negócio também. O mundo do entretenimento sempre foi algo fascinante pra mim. Lia livros, via documentários, assinava revistas… numa época que a internet no Brasil engatinhava… a gestão, que é outra área que me interessa muito, fechou esse ciclo depois que me formei, no final da década de 90. Produzir eventos foi uma consequência natural. Mas, até hoje, qualquer instrumento bem tocado ainda me impressiona. E de vez em quando (menos do que gostaria), ainda dou uma arranhada nas seis cordas [risos].

Intertv Web – Como ser um grande produtor?

Tato Lemos – Boa pergunta! Sei do meu valor, mas me considero ainda um eterno aprendiz. Como diz o ditado: ‘Logo que encontrei todas as respostas, mudaram todas as perguntas’. O mercado é muito dinâmico, existem muitas verdades, mas a maioria delas não é imutável.  Em resumo, acredito que um bom produtor é aquele que tem o olhar de todos que fazem parte da cadeia do entretenimento: público, artista, contratante, espaço, fornecedor, prestador de serviço, técnicos, mídia, governo…

Intertv Web – Nesse ano de 2020 tínhamos muitos grandes shows e espetáculos agendados. Como foi a sua reação ao saber que tudo teria que ser cancelado?

Tato Lemos – Com serenidade. Temos que entender que o que está sendo feito, é para um bem maior. A grande maioria dos eventos foi adiada, e alguns foram realmente cancelados. A apreensão maior é saber que muita gente depende dessa engrenagem girando para tirar seu sustento e o de suas famílias. Claro, fica uma ponta de tristeza por não poder proporcionar ao público e ao artista essa troca de energia, e também por, de certa forma, estar impedido de fazer uma das coisas que mais amo na vida: produzir.

A grande maioria dos eventos foi adiada, e alguns foram cancelados
Foto: Arquivo Pessoal

Intertv Web – Como foi o impacto de tudo isso em sua produtora?

Tato Lemos – O impacto financeiro foi direto. A pandemia atingiu em cheio todo o mercado de eventos. No nosso caso específico, sempre tive uma estrutura enxuta. No caso da CMS (minha produtora), a conta é muito mais do que se deixou de ganhar, do que quais foram as perdas pelos adiamentos/cancelamentos.

Intertv Web – Artistas e produtores terão que se reinventar se quiserem ter um ano de 2020 melhor?

Tato Lemos – Certamente. A grande maioria dos produtores e artistas têm, nos shows, a sua maior, quando não a única, fonte de receita. Vejo muitas iniciativas interessantes e criativas no mercado. A grande questão hoje é como isso ser monetizado de uma forma sustentável e com volume fora do chamado “mainstream”, e que possa atender toda a cadeia produtiva do show business.

Intertv Web – O mundo das Lives realmente se tornou o melhor meio para o mundo artístico?

Tato Lemos – É o melhor meio para o artista estabelecido, muitas vezes o único, para o momento atual que estamos vivendo. Mas o formato, em pouco tempo, já está apresentando sinais de “cansaço”. O momento agora está sendo de reinvenção das lives. Já para artistas menores e o restante da cadeia de eventos, penso que o formato live não consegue dar volume nem trazer apoio de grandes patrocinadores e o interesse, por exemplo, de canais de TV, para que estes profissionais possam viver exclusivamente disso, em tempos de isolamento social.

“Vejo muitas iniciativas interessantes e criativas no mercado”
Foto: Arquivo Pessoal

Intertv Web – Você produziu alguma Live para artistas durante essa Pandemia?

Tato Lemos – Participei de lives falando sobre o mercado, dando recado em outras, atuando em alguns bastidores. Especificamente produzindo com/para artistas, não.

Intertv Web – Existem algumas pesquisas indicando que devem voltar shows e outros eventos somente no ano de 2021. Acredita que isso possa se concretizar?

Tato Lemos – Uma parte significativa do mercado já fala que o ano de 2020 está “perdido”, apesar de ainda estarmos em junho. A retomada dos eventos, num país de dimensões continentais como o nosso, e ainda com decisões descentralizadas, onde cada Estado define suas políticas de isolamento, muitas vezes tendo sub-regiões, como é o caso de São Paulo, traz ainda maiores dificuldades para uma efetiva retomada. Não há como um escritório de artista e uma produtora fazerem um planejamento do tipo “vou comprar 3 datas suas, pra daqui há 3 meses, sendo sexta em São Paulo, sábado no Rio de Janeiro e domingo em Belo Horizonte”. Muitas vezes tem que se fazer isso pra viabilizar financeiramente o show. Se cai uma data em cima da hora, o prejuízo na perna da turnê é quase certo. Acredito que eventos pontuais, caso em agosto possamos ter um horizonte mais claro, talvez aconteçam a partir de outubro. Particularmente, não tenho muita expectativa neste momento, a julgar pela situação atual da pandemia pelo país.

Tato Lemos, acredita que a partir de agosto deveremos ter uma melhor visão se ainda esse ano haverá shows.
Foto: Arquivo Pessoal

Intertv Web – Suas considerações finais.

Tato Lemos – Agradeço o convite para a entrevista e a parceria de sempre em nossos eventos. Espero que em breve possamos nos encontrar novamente pelos palcos da vida. Se cuidem, para preservar a saúde de vocês e dos outros. Nada mais será como antes, mas vai passar!

Kennedy Oliveira

É formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelas Faculdades COC (atualmente Estácio). É pós-graduado em Comunicação: linguagens midiáticas, pelo Centro Universitário Barão de Mauá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: