“Ser mulher é uma luta constante por liberdade”

Thais Navarro, 30 anos, é uma mulher de muita fibra, porque superou as adversidades para se formar no Curso Superior e agora ‘luta’ contra o câncer no ovário

No dia 08 de março celebramos o Dia Internacional da Mulher, e cada vez mais elas se mostram com muita coragem, fibra, determinação e capazes de assumirem cargos e papéis que antigamente eram destinados somente a homens.

A designer gráfica e diretora de arte, Thais Navarro Paula, 30 anos, é uma dessas mulheres que não enxerga obstáculos a sua frente que não possam ser transponíveis. Ela vem de origem pobre, mas nunca deixou de traçar seus objetivos e alcançar o tão sonhado diploma do Curso Superior, mas para isso ela andava até 12 quilômetros diariamente para poder estudar.

“Andava cerca de 12km por dia pra ir e voltar da faculdade. Eu era bolsista Prouni e meu salário não era suficiente para cobrir todas as despesas que eu tinha na época. Não dava pra jantar um salgado todos os dias do mês, quem dirá pagar 4 viagens de ônibus ao dia. Então indo a pé eu consegui economizar e me manter na faculdade até completar a graduação”, comenta a designer gráfica e diretora de arte, e com formação Superior em Jornalismo, Thais Navarro.

Depois de completar a graduação e começar a atuar no mercado de trabalho descobriu, em julho de 2018, que tinha um câncer no ovário e precisaria realizar o tratamento rapidamente.

“Estava há dois anos indo e vindo de médicos por conta de uma infecção urinária e vaginal. Mas só chequei o crescimento do cisto no ovário duas vezes nesse período e não tomei o anticoncepcional que era a indicação de tratamento nos estágios iniciais. Antes disso, nunca ia ao ginecologista. Sempre fui de ir ao médico quando estava pra morrer de dor e sempre colocava o trabalho à frente de check-ups, me automedicando para as dores do dia a dia”, revela Thais Navarro.

E apesar de já ter realizado três quimioterapias de um ciclo de seis, se mantém positivamente, como gosta de ressaltar, em mais essa batalha, que com o auxílio dos familiares e amigos espera ser superada o mais breve possível.

Tivemos um bate-papo com ela durante essa semana, e Thais relatou um pouco de sua trajetória de vida, o que ela considera ser mulher, a importância de cuidar da saúde e muitos mais. Acompanhem!

Intertv Web – Como era a reação de seus colegas, quando falava que iria estudar a pé?

Thais Navarro Paula – Acho que eles ficavam um pouquinho impressionados, não sei ao certo. Eram realidades muito diferentes da minha. Todos já possuíam carta e dirigiam o próprio carro ou o dos pais. Talvez eles nem se dessem conta de que era um esforço pra mim. Tentava não fazer nenhum drama sobre isso também. Só ia e voltava e estava tudo bem, porque era minha chance de mudar isso.

Intertv Web – Você já tirou carta de motorista? Como foi essa decisão?

Thais Navarro – Tirei ano passado, quase chegando nos 30. Sempre quis e já havia tentado três vezes. Mas a rotina de trabalho ou a falta de grana me atropelavam, como me virava bem no transporte público ou moto-táxis nunca foi prioridade. Até que eu consegui juntar uma graninha e investi na carta e uma moto usada. Ainda não estou rodando, porque quando ia começar descobri o câncer e passei a não dar conta fisicamente de dirigir. Mas acho que vai ser uma nova etapa de muita independência e principalmente economia [risos].

Intertv Web – Como foi a sua reação com a confirmação do médico?

Thais Navarro – O primeiro dia eu fiquei no ar. Eu só pensei OK, então vamos passar por isso também. Depois veio um período de 40 dias de maturação, com alguns picos de desespero. Conforme fui avançando o tratamento e buscando maior espiritualidade e terapias fui me tranquilizando.

Intertv Web – Mesmo no hospital você fez questão de ser forte e mostrar que superaria o câncer, assim como já tinha feito com outras coisas em sua vida?

Thais Navarro – Eu nunca penso que preciso ser forte. Eu só penso que existem sempre duas maneiras de encarar as coisas: negativa e positiva. Existe o que te acontece e o que você faz a partir disso. Sempre uma escolha. E eu escolhi ser o mais tranquila possível nesse processo. Aprender as lições. Me tornar melhor, porque é isso que a dificuldade te traz, uma chance de se tornar algo melhor, mais forte. E fico nesse esforço de tentar gerar o mínimo de estresse possível para o meu corpo. E não desperdiçar meu tempo. Me ocupar com as coisas que gosto. Trabalho e séries geralmente [risos]. Minha vida sempre teve altos e baixos e sempre foi cercada de muita dificuldade. Eu só estou aplicando o que aprendi com tudo isso: uma hora vai passar e se eu me esforçar vou vencer.

Intertv Web – Qual foi o pior momento de todo esse tratamento?

Thais Navarro – Os primeiros dias após as cirurgias. Definitivamente meus piores momentos. Os primeiros dias após as quimios também são difíceis, mas nada se igualou as dores dos pós-operatório, constrangimento e dependência.

Intertv Web – Começar a ver a queda dos cabelos devido ao tratamento é um momento difícil?

Thais Navarro – Pra mim não foi tanto. Estava deixando meu cabelo crescer pra justamente raspar. As coisas só se adiantaram. Mas é desesperadora a quantidade que cai, quando acontece de cair de uma vez como foi comigo. Varia de paciente para paciente, então deixei rolar pra ver se por ventura eles não resistiriam.

Intertv Web – Qual o conselho que você dá às mulheres que deixam de lado a Saúde, as vezes até priorizando trabalho ou outras coisas?

Thais Navarro – Não faça isso. Primeira regra do amor próprio: você vem primeiro. Se viver é uma dessas coisas difíceis mas que você adora, vá a cada 3 meses checar seu corpo, 6 no mínimo. Quanto antes se descobre, mais chances se tem de sobreviver.

Intertv Web – Você sofreu algum tipo de preconceito devido a doença?

Thais Navarro – Não. Só comentários do tipo: “então você não vai ser mãe nunca?” Me deixam ‘emputecidas’. Adoção também é maternidade, mas as pessoas nem cogitam essa possibilidade. Elas preferem reforçar a sua infertilidade como algo negativo mesmo, como se a gestação e a maternidade fossem algo programado para toda mulher, requisito pra ser feliz.

Intertv Web – Quem te deu mais força nesse momento?

Thais Navarro – Família e amigos, cada um a sua maneira. Até desconhecidos tem me dando muita força pelas redes sociais, então me sinto super acolhida.

Intertv Web – O que é ser mulher para você?

Thais Navarro – É quando a gente se sente ser parte dessa força maior, do fluxo da mãe natureza. É sentir medo e coragem ao mesmo tempo. É um olhar sensível sobre as coisas. É receber do universo e abraçar com amor. É se julgar e ser julgada por uma sociedade patriarcal machista e ainda assim assumir o risco de ser isso que se é, na essência. Cada mulher uma prisão diferente e uma luta diária pra sair dela. Ser mulher é uma luta constante por liberdade.

Intertv Web – Qual a mensagem que você deixa a todas as mulheres nesse dia?

Thais Navarro – Faça ultrassom, acompanhem seus cistos. Quem se ama se cuida.

Intertv Web – Suas considerações finais.

Thais Navarro – Apenas gratidão pela oportunidade de falar sobre o Câncer de Ovário que tem crescido muito entre mulheres jovens e é muitas vezes assintomático. O câncer é real e a projeção é que alcance metade da população em pouco tempo. Cuidem-se. Previnam-se.

Kennedy Oliveira

É formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelas Faculdades COC (atualmente Estácio). É pós-graduado em Comunicação: linguagens midiáticas, pelo Centro Universitário Barão de Mauá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: