Alimentação no controle da hipoglicemia

A fonte preferencial de energia do nosso organismo é o carboidrato, o qual está presente em massas, pães, mandioca, batata, frutas, sendo um tipo diferente em cada alimento (carboidrato simples ou complexo). A metabolização desses carboidratos no nosso organismo gera a glicose, que é essencial ao bom funcionamento celular referente à energia.

O açúcar no sangue ou glicemia é regulado por um processo hormonal, em especial pela insulina que é produzida pelo pâncreas e tem como ação transportar a glicose do sangue para dentro das células, porém uma parte da glicose permanece no sangue e esse controle hormonal faz com que os níveis fiquem em equilíbrio. Quando há algum tipo de descontrole nesse processo a glicemia pode ficar muito alta, como no caso do diabetes ou baixa caracterizando a hipoglicemia, que pode ser um distúrbio desencadeado por outras doenças ou devido ao uso de medicamentos.

A glicemia de jejum normal deve estar na faixa de 60 a 99 mg/dl, sendo caracterizado como hipoglicemia valores abaixo de 55 mg/dl para homens e 45 mg/dl para mulheres. Cada alimento possui um índice glicêmico diferente dependendo da sua composição. Quando ingerimos carboidratos de fácil digestão e absorção os níveis de glicose no sangue sobem rapidamente e para controlar esse processo o pâncreas libera uma alta quantidade de insulina, fazendo com que os níveis de açúcar voltem ao normal. No entanto, como o volume de hormônio é muito alto, o resultado pode ser o consumo de quase todo o açúcar disponível no sangue, causando hipoglicemia, o que provoca fome, fraqueza, cansaço, dores de cabeça e mau humor.

Os sintomas da hipoglicemia são: transpiração, nervosismo, tremores, desfalecimento, palpitações e em casos mais graves, reduz-se o fornecimento de glicose ao cérebro e aparecem vertigens, confusão, esgotamento, comportamento inadequado que pode ser confundido com um estado de embriaguez, incapacidade para se concentrar, anomalias da visão, e até mesmo convulsões.

Com relação ao controle desse distúrbio, quando for ingerido frutas nos lanches intermediários, o ideal é que sejam de baixo índice glicêmico ou combinadas com uma fonte de fibras como a aveia ou alimentos proteicos como o leite ou iogurte, que controlam o índice glicêmico. Alimentos integrais também são sugeridos, pois apresentam em sua composição maior quantidades de fibras e consequentemente menor índice glicêmico.

Além da alimentação saudável é importante a prática regular de atividade física que colabora com controle glicêmico. No controle da hipoglicemia, o intervalo entre uma e outra refeição deve ser cuidadosamente monitorado e personalizado de acordo com a rotina de cada um. Para esses casos torna-se válido a orientação de um profissional nutricionista que avaliará a alimentação e estabelecer á a quantidade a ser ingerida de cada alimento.

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *