Educador físico supera os limites e conclui o IRONMAN de Florianópolis

Durante oito meses, o educador físico Marcelo Silva, treinou duas vezes por dia durante 6 dias da semana para poder participar e concluir o IRONMAN de Florianópolis

Os desafios existem para serem cumpridos e superados, e foi isso que o educador físico Marcelo Donizeti Silva, 39 anos, fez ao participar do IRONMAN de Florianópolis, uma das mais respeitadas competições do mundo, tanto é que chegou a sua 17ª edição, e em 2017 reuniu mais de 1800 participantes de diferentes nações.

Antes de participar da competição, Marcelo Silva, se dedica há 10 anos ao triathlon, o qual ele diz ser seu esporte favorito e que a cada treino e corrida é uma sensação diferente.

“O triathlon é meu esporte favorito atualmente. A cada treino e competição uma sensação diferente, pois são modalidades totalmente diferentes. Nadar, pedalar e correr”, revela Marcelo Silva.

Ainda segundo Silva, concluir um IRONMAN é superar seus próprios limites, não somente físicos, mas principalmente se concentrar e vencer sua própria cabeça. Mas não pode faltar muito treinamento e especial diversão com os amigos e familiares.

Para participar desse desafio ele treinou especificamente durante oito meses, em geral foram dois treinos de diferentes modalidades diariamente seis dias na semana, que inclui natação, pedal, corrida e musculação.

“Apesar de ser educador físico e personal trainer tive a prescrição e acompanhamento do meu amigo Rafael Falsarella, um experiente e excelente treinador. Com relação a nutrição fui acompanhado pelo Diego Xaulim, atleta de triathlon e nutricionista com muita experiência nessas provas. Foi muito importante também o acompanhamento de perto do cardiologista Dr. Paulo Sadala, pois apesar de atleta de triathlon sou hipertenso. Para prevenir lesões tive o apoio da fisioterapeuta Letícia Abreu”, conta Marcelo.

Apesar de ter se esforçado e claro seguido rigorosamente os treinos, a esposa e os filhos são de extrema importância para a superação de todos obstáculos que a modalidade coloca.

“A participação da minha família foi essencial nessa conquista. Sem o apoio pleno deles não teria conseguido concluir. A minha esposa Vanessa foi simplesmente fantástica e sensacional, ficou durante a prova toda com meus filhos debaixo de chuva. Sou imensamente grato a eles”, diz o educador físico.

E foram muitas as dificuldades sentidas pelo educador físico durante o percurso, que nesse ano teve quebra de recorde pelo britânico Tim Don com 7h40min23seg, e foi ai que o apoio de sua esposa foi fundamental para o ajudar na competição.

“Quando eu terminei o pedal e iniciei a corrida tive muita dor no joelho esquerdo, depois de 21 km minha esposa me deu um remédio e a dor praticamente sumiu. A emoção e a vontade de concluir eram muito maior que qualquer dor”, revela Marcelo Silva.

No IRONMAN de Florianópolis os competidores que finalizaram a prova tiveram que superar os 3.800 metros de natação, 180 quilômetros de bicicleta e 42 quilômetros de corrida.

Kennedy Oliveira

É formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelas Faculdades COC (atualmente Estácio). É pós-graduado em Comunicação: linguagens midiáticas, pelo Centro Universitário Barão de Mauá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: