Professor quer tornar a região em um grande polo de voleibol

Apaixonado pelo esporte, Gullit trabalhava em um time em Ribeirão Preto, com ex-jogadoras, só que um dia resolveu que deveria seguir os planos que tinha em sua mente, e ele não cabia mais naquela equipe, foi quando resolveu por montar o seu time. Foi ai que retornou para Cravinhos para desenvolver seus projetos.

 

Na região de Ribeirão Preto, mais precisamente em Cravinhos, o jovem Gullit de Pádua Adolpho, 27 anos, Educador Físico pela UNAERP (Universidade de Ribeirão Preto) e Técnico Nível II pela CBV (Confederação Brasileira de Voleibol), tem se destacado nos últimos dois anos com dois projetos, sendo um que envolve a modalidade de competição, e o outro que tem a parte social como meta. Mas a s paixão pela modalidade aconteceu mesmo na década de 90.

“Nasci em 90, minha infância foi acompanhada do grande salto do vôlei no país, Barcelona (com a seleção masculina) e Atlanta (com a seleção feminina), todos os jogos, meus pais assistiam na sala de casa, era uma festa, depois das partidas o varal de casa era a minha rede”, comenta, sorridente, o técnico Gullit de Pádua.

Gullit é natural de Cravinhos, foi bicampeão Paulista Infanto, vice-campeão Paulista Juvenil, campeão dos Jogos Regionais e Abertos do Interior. Além de ter sido considerado o melhor levantador do Paulista Juvenil no ano de 2009

“Sempre gostei de voleibol, com 11 anos no Colégio Tom Jobim, nas aulas de Educação Física a paixão começou a trilhar meu caminho com o esporte. Em seguida fui pra Cava do Bosque, em Ribeirão Preto, fiquei lá uns três anos jogando os campeonatos do Estado. Nessa época o Banespa Mastercard São Bernardo junto com o Projeto Escola da Família, realizaram um pré-peneira em quatro cidades do interior, para selecionar os garotos para os times infanto e juvenil. Aqui em Ribeirão Preto, fiquei entre os 10 escolhidos e viajamos pra São Bernardo, foram três dias de peneira e entre mais de mil participantes, acabei escolhido pra ser um dos levantadores do time Infanto do melhor clube de formação de atletas do Brasil. Foram anos incríveis que me levaram até a Superliga no Vôlei Futuro de Araçatuba. Depois de algumas frustações e em uma conversa com meu interior resolvi voltar pra casa e estudar, encontrei a Educação Física e a paixão de ensinar”, revela o técnico que agora comanda as equipes de vôlei de Cravinhos.

Entre seus ídolos na modalidade, ele destaca dois: Ana Moser com sua força e garra e Ricardinho, com a inteligência e maestria. Mas se for para prever daqui para frente, Gullit ressalta que a nova geração passará por tempos difíceis, bem como os torcedores brasileiros.

“A Ana e o Ricardinho são feras e marcam a mudança no voleibol brasileiro. Mas tempos difíceis nos esperam. O Brasil é referência no voleibol, hoje é copiado em todos os aspectos dentro de quadra e fora dela. A grande desvantagem está em nossa base, não temos base, não temos escolinhas, enquanto nos outros países o esporte é prioridade, aqui no Brasil, principalmente fora dos grandes centros, vivemos da força de vontade de alguns professores em não deixar o esporte morrer”, avalia Gullit.

Além de descobrir talentos, o objetivo é a formação de cidadãos

As principais competições internacionais de vôlei são: Olímpiadas (a cada 4 anos), Campeonato Mundial de Voleibol (a cada 4 anos), Copa do Mundo (a cada 4 anos), Copa dos Campeões de Voleibol (a cada quatro anos) e a Liga Mundial (anualmente). Já no âmbito nacional é a Superliga Brasileira de Voleibol.

A modalidade de vôlei nasceu em 1895, um ano antes da primeira edição das Olímpiadas. A ideia partiu de um pastor norte-americano, e de lá em diante muitos talentos foram descobertos nesse esporte. A popularização foi disseminando para todos os países, e em quase todo lugar do mundo o vôlei é praticado nos dias de hoje.

Não precisamos nem ressaltar a competência brasileira nessa modalidade, já que somos considerados uma das seleções mais vitoriosas do mundo.

Trabalho em Cravinhos

Apaixonado pelo esporte, Gullit trabalhava em um time em Ribeirão Preto, com ex-jogadoras, só que um dia resolveu que deveria seguir os planos que tinha em sua mente, e ele não cabia mais naquela equipe, foi quando resolveu por montar o seu time.

“O time que trabalhava era muito bom, mas resolvi sair, tinha planos em minha mente e ali não me cabia mais, precisava respirar algo que tivesse minha identidade, por isso montei o meu time, entretanto eu não tinha quadra, não tinha bolas, nem rede e nem antenas só tinha o Gullit e quatro ‘malucas’ que me seguiram (Imirá, Babi, Gisele e Tchela), montei a equipe GUPA e como se fosse a vontade do universo e de Deus, tudo deu certo”, diz Gullit.

Com luta e muito amor na profissão, começou a mostrar o seu trabalho junto com essas atletas, e a equipe acabou ficando com o 2º lugar no campeonato que disputou, sendo que acabou perdendo para a equipe que treinava, o que lhe motivou ainda mais e começou a ver o seu trabalho a desenvolver também em Cravinhos.

“Perdi pro time que treinava e ganhei o mundo (o meu mundo), no GUPA contava com três meninas de Cravinhos (Luciane, Jaqueline e Aline), as postagens que elas faziam no Facebook chamavam a atenção e a Andréa Delapieri, aqui de Cravinhos, me procurou para ver se não tinha um horário pra treinar as meninas da cidade. No começo confesso que não dei muita atenção, porque além do GUPA tinha mais oito times na USP pra treinar e a Medicina na UNAERP, pensei mais uma equipe eu não vou dar conta, mais aceitei”, diz, emocionado, o técnico de Cravinhos.

Equipe de competição Adulto começou com seis jogadoras e hoje conta com aproximadamente 30 atletas

“Começamos com seis corajosas e fluiu, com muita dificuldade, mas aconteceu. Hoje estamos em quase 30 mulheres. Treinando três vezes por semana, passamos quatro meses de preparação básica e agora começamos a preparação específica, voltada para o jogo propriamente dito”, revela o técnico.

E através disso começou a desenvolver o projeto social das escolinhas de vôlei que acontecem na quadra poliesportiva da escola municipal “Maria Virginia Matarazzo Ippolito”, de 3ª e 5ª feira às 18h, e aos sábados, no Ginásio Municipal de Esportes “Prefeito José Vessi”, às 10h.

“Quero até convidar as meninas e meninos de 7 a 15 anos para participarem de nossa escolinha, elas aprenderão desde o básico, e tenho certeza que poderemos descobrir diversos talentos de nossa cidade”, afirma Gullit.

Ainda segundo o técnico, o time Adulto Feminino também tem as inscrições abertas e é de 3ª feira às 19h30.

“É só saber dar toque e manchete que o tio endireita o resto [risos]”, fala sorridente o técnico de Cravinhos, que faz questão de ressaltar o apoio que tem recebido da administração municipal: “Sem o apoio da administração não conseguiríamos ter a oportunidade, é um desejo antigo ter o voleibol como um esporte de destaque, desenvolver esse projeto, qualificando tanto no treinamento e no social de nossas crianças, oportunidade de desenvolvimento psicossocial e motor, sem esquecer-se das regras do esporte e da cumplicidade do esporte coletivo. Conto com a ajuda da população, dos pais e das crianças para que consigamos levar esse trabalho para sempre na cidade de Cravinhos”, conclui Gullit.

Treinamento da categoria Adulto Feminina

E quando perguntado se prefere trabalhar com o voleibol masculino ou feminino ele foi bem enfático que são “duas paixões diferentes”.

“As mulheres te fazem pensar mais, te perguntam mais, te desafiam mais e te olham com a alma. Já os homens resolvem tudo na força e o que você diz é lei. Hoje, eu prefiro o feminino, daqui uns anos, acho, que vou preferir o masculino”, diz o cravinhense.

Kennedy Oliveira

É formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelas Faculdades COC (atualmente Estácio). É pós-graduado em Comunicação: linguagens midiáticas, pelo Centro Universitário Barão de Mauá.

2 comentários em “Professor quer tornar a região em um grande polo de voleibol

  • 30 de março de 2017 em 12:44
    Permalink

    Boa Tarde, adorei a reportagem. Desde que vim morar em Ribeirão Preto larguei minha equipe de São Paulo de volei no clube Ipê e adoraria me inscrever para treinar com o professor Gullit. Como posso adquirir o telefone?

    Resposta
  • 30 de março de 2017 em 14:08
    Permalink

    ola tudo bem…voce gostaria de treinar?? tipo bater uma bola ajudaria??

    Resposta

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: