Os seis Cs da discórdia

Quem mora em condomínio sabe que qualquer coisa pode virar motivo para conflitos. E esta é uma das tarefas mais árduas que os síndicos têm de desempenhar, pois exige muita habilidade e paciência porque nem todos os moradores entendem que devem colaborar e cumprir as regras da convenção e do bom convívio social, afinal, todos fazem parte de uma comunidade.

Estranhou o título deste artigo? Já explico. Os pontos que costumam gerar mais problemas nos condomínios têm em comum o início da palavra com c: criança, carro, calote, cachorro, cigarro e cano. Ok, outros pontos de conflitos comuns, como barulho, mas são tantas questões que podem gerar picuinhas que hoje, vamos focar nos Cs mesmo.

Há uma gama enorme de leis que os condomínios devem seguir, desde a Constituição e o Código Civil até leis municipais, mas como algumas normas tratam o assunto de forma genérica, é importante que a convenção condominial seja bem específica no tocante às regras internas.

Como o intuito é ajudar, seguem algumas dicas importantes para te auxiliar a evitar problemas relacionado a algum C no condomínio.

1 – Criança – Nos residenciais que não possuem uma área de lazer, esse é um dos principais problemas, pois a criançada tem muita energia para gastar e não tem um local adequado em casa para isso. É comum, inclusive, que elas brinquem nos corredores e o barulho gerado por elas pode incomodar muita gente. Fique atento ao que o seu filho faz no condomínio. Se não houver um espaço específico para elas, o jeito é ser criativo e buscar alternativas, como transformar uma sala ociosa em brinquedoteca.

2 – Cachorro – Antigamente havia a proibição de se ter um bicho de estimação na maioria dos condomínios, prática que caiu em desuso e que tem tido ganho de causa mesmo nos locais em que a convenção de condomínio é antiga e ainda conste a proibição. O ideal é criar um regulamento interno bem meticuloso, com abrangência de todos os detalhes como se deve entrar pela garagem ou pela entrada de pedestres, se é obrigatório o uso de focinheira quando o animal estiver fora do apartamento etc. Mas tem ocasiões mais complicadas de se controlar, como nos casos de cães que latem muito e latem alto, extrapolando o limite do tolerável. Há casos que vão parar na justiça e o animal pode até ser expulso do condomínio.

3 – Carro – ah, esse dá pano pra manga. Carros e vagas na garagem são campeões, principalmente por causa de veículos mal estacionados. Gente, não custa ter um pouco mais de atenção, né? Esse problema seria simples de ser evitado se todos tomassem mais cuidado.

4 – Cano – Vazamentos e entupimentos são os pesadelos de qualquer morador de condomínio, principalmente, dos verticais. Como ficam embutidos, problemas nos canos podem demorar para serem descobertos e se o dono do apartamento com problemas demora a tomar uma atitude, em caso de infiltração, por exemplo, quem sofre mais é o vizinho. Para isso, uma boa manutenção no encanamento minimiza a ocorrência de problemas.

5 – Cigarro – Quem nunca sentiu o cheiro de cigarro entrando em seu apartamento por causa do vizinho que resolveu fumar na janela ou sacada que atire a primeira pedra. Para piorar, tem gente que atira as cinzas e bitucas pela janela sem qualquer cerimônia. Com relação ao cheiro, a situação é complicada porque o fumante está dentro da casa dele e a atuação externa fica bastante limitada. O síndico pode ser acionado em casos de flagrante de descarte irregular das bitucas e cinzas, mas o melhor seria todos terem a educação e usar o cinzeiro ou o lixo, né? Tão simples!

6 – Calote – Por último, mas não menos importante, a inadimplência é um caso complicado que em épocas de crise, aumenta ainda mais. A falta de pagamento da taxa condominial prejudica a todos pois pode interferir no andamento de serviços e melhorias. Ao condomínio, resta protestar as contas atrasadas em cartório, pressionando o inadimplente a sanar suas dívidas para não ter o nome negativado.

Se prestarmos atenção a cada um dos tópicos, veremos que a maioria dos problemas são evitáveis ou de fácil resolução, basta cada um fazer a sua parte e se preocupar com o outro. É, essa dica vale para tudo nessa vida!

Robinson Cardoso

Robinson Cardoso é administrador e diretor do Grupo Arcon Administração e Terceirização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *