Estresse, depressão ou ansiedade, e agora?

Cada dia que passa nossa rotina fica mais corrida, as cobranças e preocupações tomam conta dos dias. Quem consegue hoje se desligar do trabalho no fim de semana? Quem consegue relaxar nas férias? Difícil dizer. Estamos ligados em “220v” constantemente. Mesmo que não estejamos em determinado lugar, ele não sai de nossa cabeça. Temos tantas coisas pra fazer que não dá tempo nem de piscar.

Quando temos tantas coisas pra fazer nos vemos “no limite” e ficamos estressados. Quando temos tantas coisas pra fazer e só pensamos nelas ficamos ansiosos. Quando temos tantas coisas pra fazer, mas temos vontade de desistir de tudo podemos estar depressivos. Nada é tão simples assim, mas já nos ajuda a pensar na diferença de cada um.

Hoje essas três palavras são ditas com frequência por todos nós e são considerados os três transtornos psicológicos mais habitais do cotidiano. Eles podem aparecer separado, ou em conjunto, e é importante ficar atento, pois mesmo sendo “dolorosos”, eles tem tratamento!

O termo estresse designa uma resposta regra e inespecífica do organismos a um estressor que provoca uma excitação emocional e perturba o equilíbrio interno, como ansiedade, fúria e frustração. Um nível baixo de estresse é saudável e extremamente necessário para mudarmos e nos adaptarmos a mudanças. É ele que nos impulsiona, nos desacomoda e nos faz transformar, porém em níveis altos e excessivos ele é nocivo à saúde.

Alguns dos sintomas habituais são as dores abdominais ou de cabeça, enjoos, insônia, frequência respiratória e cardíaca irregular, transtornos do sono, cansaço, fadiga, falta de concentração, problemas no rendimento sexual, entre outros e em alguns casos, o estresse elevado se manifesta em forma de fobias ou transtornos psicológicos.

A depressão é um distúrbio afetivo caracterizada por uma intensa tristeza de longa duração, modificando o estado de ânimo do indivíduo, podendo sentir ira ou frustração, necessidade intensa de chorar e se isolar. Possui três níveis de gravidade: leve moderada e grave. Cada uma necessita de tratamento e atenção diferenciados.

Os sintomas mais comuns da depressão são: dificuldades para dormir ou excesso de sono, mudanças no apetite, aumento ou perda de peso, falta de energia, fadiga, sentimentos de inutilidade, culpa inapropriada, agitação, irritabilidade, dificuldade para se concentrar, falta de prazer, distanciamento das atividades usuais, inatividade, baixa autoestima, e em casos severos pensamentos de morte ou suicídio. (É necessário ficar atento, depressão é doença, e não é para chamar atenção!)

A ansiedade é uma resposta emocional a um ou vários estímulos podendo surgir a partir de pensamentos, sentimentos ou acontecimentos gerais direcionado ao futuro que faz parte do espectro normal das experiências humanas, mas quando exagerada, ou sem um objeto específico, ela passa a ser patológica sendo um estado emocional desconfortável com sentimentos de medo, pavor ou até pânico.

Entre seus sintoma podem estar presentes a hiperatividade, a taquicardia, a perda do controle e do raciocínio, transpiração excessiva, náuseas, insônia, debilidade, inquietude motora, pensamentos negativos, obsessão ou problemas de relacionamentos.

Para o estresse e ansiedade em níveis elevados e “fora do controle” é necessário procurar ajuda psicologia, e se necessário ocorrerá encaminhamento para a área médica, porém para a depressão, independentemente do nível em que se encontra, é primordial acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Não deixe o estado agravar, é necessário procurar ajuda o quanto antes, desta forma evita-se futuros agravamentos, cura-se o transtorno e ganha-se qualidade de vida.

Yasmin Paciulo Capato

Yasmin Paciulo Capato é Psicóloga (CRP: 06 / 136448) clínica e atende as especialidade de Psicoterapia, Orientação Vocacional e Psicodiagnóstico na Clínica Vitalli.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: