Síndrome do Ninho Vazio

Há muito tempo a casa não era silenciosa assim, os filhos saíram e o silêncio predominou

A sensação de solidão, seja ela física ou mental, pode atingir os pais e/ou cuidadores quando o filho decide sair de casa, seja para casar, buscar sua autonomia e independência ou até mesmo cursar uma faculdade. Independente do sexo, da idade, da situação financeira ou qualquer outro fator, para alguns pais esta etapa da vida é extremamente estressante e dolorosa, podendo ficar até abatidos com a inerente saída dos filhos de casa ou até mesmo quando “não encontram sua escova de dente no banheiro”.

Toda a rotina familiar é modificada. Alguém que estava ali todos os dias em período integral passará a ser “menos frequente” naquele ambiente, e por mais que o sentimento de satisfação e dever cumprido exista, pode ser uma das fases mais complicadas na vida dos pais, pois é neste momento que eles se encontram com “seu ninho vazio”.

Essa síndrome inicia-se a partir do momento em que é informado sobre a saída do filho de casa até o estabelecimento de uma nova rotina familiar sem o membro que foi embora, e seu pico é na saída do lar com mudanças e sensação de que falta algo naquele lugar.

A personalidade de cada indivíduo influenciará na forma com que essa separação será encarada. Apesar de saber que essa separação um dia irá acontecer, muitos pais sentem que há uma perda de sua função paterna devido a saída dos filhos de causa gerando sofrimento e traz um sentimento de luto relacionado a saída de pessoas queridas de casa.

Alguns lidam melhor, outro tem mais dificuldades. A sensação de dever cumprido, orgulho e satisfação cumprido pode tomar conta deste momento, mas pode se ter também que venham acompanhados do sentimento de tristeza, impotência, , sensação de vazio, fadiga, preocupação excessiva e até sentimento de culpa quando a relação entre pais/filhos era mais complicada e tensa.

É necessário ver a saída dos filhos de casa como uma nova forma de relacionamento com eles, eles podem ter saído de casa, mas continuam sendo filhos e continuarem se relacionando com os familiares.

A independência é um processo natural e mais uma etapa de crescimento e evolução na vida de qualquer pessoa, todos nós um dia já saímos da casa de nossos pais ou sairemos independente do motivo, para os filhos o começo de uma vida mais independente, e para os pais um novo recomeço.

Ter consciência de que um dia isso irá acontecer, dar autonomia aos poucos aos filhos, investir em novas atividades, ideias e planos, reforçar o convívio social e círculo de amizades, planejar um futuro independente e compreender que não se trata apenas da saída dos filhos de casa, mas também de possibilidade de novos laços de afetos e novos membros na família são meios de ajudarem a se preparar para o ninho vazio.

Sabe aquela frase “você não cria os filhos pra você, você cria pro mundo”, é mais ou menos por ai, e por mais fácil ou difícil que seja aceitar que um dia todos irão seguir seus caminhos perto ou longe de casa, precisamos estar preparados para essa etapa da vida, sempre vivendo para nós mesmos, e não apenas para o outro, mesmo que esse outro seja o próprio filho.

Você não perde seu filho quando ele sai de casa, você ganha mais autonomia e consegue realizar aqueles planos que um dia ficaram adormecidos. É a oportunidade de reestabelecer sua vida e seguir em frente com um novo conceito de vida e novas perspectivas.

Yasmin Paciulo Capato

Yasmin Paciulo Capato é Psicóloga (CRP: 06 / 136448) clínica e atende as especialidade de Psicoterapia, Orientação Vocacional e Psicodiagnóstico na Clínica Vitalli.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: