Terror Noturno

O terror noturno é um distúrbio do sono que acomete crises na primeira fase do sono. Geralmente a pessoa, ou criança, durante o sono e ainda dormindo, senta na cama, mantem os olhos abertos, grita, chora, tem os batimentos cardíacos e respiração aumentados, faz expressões que demonstrem terror, podendo até correr na tentativa de fugir do que lhe está causando pânico.

Não se sabe quando e onde pode acontecer, porém o tempo do terror é curto, e aos poucos o corpo começa a se acalmar, regularizando os impulsos nervosos, trazendo novamente um sono tranquilo. É uma mistura de consciente e inconsciente sem se ter controle da situação por conta do sono,  e, muito provavelmente, quando o episódio de terror noturno acaba, continuamos dormindo e esquecemos o que aconteceu.

Geralmente acontece em crianças pequenas, mas pode ocorrer em alguns adultos. Não há uma causa única e pré definida, mas relaciona-se seu aparecimento com questões de stress, privação de sono, histórico familiar com distúrbios de sono,  febre alta, ambiente de sono agitado, distúrbios respiratórios, ansiedade, depressão e até traumas.

Confunde-se terror noturno com pesadelos, mas há grande diferença. O terror acontece entre os primeiros 15 minutos à 3 horas de sono, há o terror durante a fase do sono, acalma-se e continua dormindo normalmente. O pesadelo acontece próximo as horas finais de sono, acorda-se após ter sonhado, geralmente lembra-se o que aconteceu e pode gerar medo ao ter que voltar a dormir.

O terror é maior para quem presencia do que em quem acontece, pois não se sabe-se o que está acontecendo, de que forma agir a como acalmar quem está em pânico, principalmente quando, poucos minutos, a pessoa já está dormindo tranquilamente de novo.

Quando o episódio acontecer, é necessário lembrar que mesmo a pessoa estando de olhos abertos, ou gritando, ela está dormindo. Conversar, segurar, gritar ou qualquer outra ação não surtirá efeito. Deve-se, por mais angustiante que possa parecer, cuidar da segurança para que não se machuque e esperar a pessoa se acalmar sozinha.

Normalmente não há necessidade de tratamento. Conforme o tempo passa eles tornam-se menos frequentes até desaparecerem. O foco deve ser dado caso o terror comece apresentar prejuízos significativos, como medo ou dificuldade em dormir, comportamentos agressivos durante o sono, frequência alta (todas as noites, várias vezes seguidas…) e interrupções do sono.

Caso seja notado alguns dos prejuízos acima, é necessário procurar um profissional da saúde mental para realização de exames e investigação do caso. Se houver necessidade, tratamento adequado será realizado.

Yasmin Paciulo Capato

Yasmin Paciulo Capato é Psicóloga (CRP: 06 / 136448) clínica e atende as especialidade de Psicoterapia, Orientação Vocacional e Psicodiagnóstico na Clínica Vitalli.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *