Admirável Lula

Meu nome é Maria. “Sou brasileira, com muito orgulho e com muito amor. ”

Faltam-me palavras para definir este homem.

Pernambucano, nascido Luiz Inácio da Silva. Foi metalúrgico. Ganhou notoriedade depois de sua atuação como representante sindical. Como dizem hoje, ele gostava de “causar”. Pesadelo da ditadura militar, no final de década de 70, o sindicato de metalúrgicos já era o início da caminhada deste senhor rumo à presidência. Um sonho. Admiro homens sonhadores.

Cofundador do Partido dos “Trabalhadores”, o famoso PT, sempre amou de ir para as ruas, liderar greves, aparecer e bater no peito afirmando estar do lado dos trabalhadores. Salvador da pátria.

Trabalhador, honesto, um mito!

Após várias tentativas, foi eleito, por duas vezes consecutivas, presidente da República.

Que momento esperado! O homem de caráter, o bom samaritano governaria para os trabalhadores e para a população menos favorecida. Afinal, sempre foi do povo, não é mesmo?

Humilde, inteligente, corajoso!

De metalúrgico a presidente! Que vitória deste nobre homem, conhecido como Lula. Conquistou muitos discípulos. Admirável!

Nasceu em família muito pobre. Coitado! Morava na zona rural, em casa de chão batido, onde faltava energia elétrica. Dormia amontoado junto dos irmãos.

De discurso verdadeiro, eloquente, emocionado, sempre comoveu o povão. Fez maravilhas em nosso Brasil. Ficou conhecido internacionalmente.

Neste momento lágrimas marejam meus olhos. Falar de Lula sempre me impressiona, me abala, faz meu coração acelerar. Desde criança.

Luiz Inácio, em sua infinita bondade, ficou ainda mais popular por ter implantado os programas maravilhosos que se tornaram marca de sua política, de seu governo. Que alma boa e caridosa!

Bolsa-isso, bolsa-aquilo, bolsa-aquilo-outro, em meio a tantos benefícios que passaram a ser oferecidos ao povo, especialmente nas regiões mais pobres, fico incrédula. Que imenso o coração deste ser humano!

Lula, meu companheiro, jamais conseguirei ser tão convincente como você nas palavras, nos discursos, nos gestos de generosidade. Jamais conseguirei chorar as lágrimas de crocodilo que você chorou em algumas ocasiões.

Como você é pilantra, cara! Que malandro! De todos desse tal partido dos trabalhadores, você é o “melhor”, o mais cara de pau. Aplausos de pé!

Conquistou uma riqueza extraordinária, furto de seu trabalho duro. Mas quem prova que você roubou? Você é tão magnífico, que consegue eliminar provas e tudo o que vá contra seu nobre caráter. Afinal, a profissão mais honesta é a do político como você. Ah, e você é o homem mais honesto desse nosso Brasil, sil, sil!

Prova disso é esse bando de velho leso que já caiu antes de você. Eu te admiro, Luiz. Seus seguidores são mais que seus discípulos, são seus reféns. Você manda, relativamente, em tudo quando se fala em PT.

Você é bom mesmo, hein, camarada?

Mas hoje preciso abrir o meu coração: eu não simpatizo com você desde que eu era criança. Nunca fiquei nem um tiquinho sensibilizada por você ter nascido pobre, ter morado lá na sua casinha de chão batido. Tem gente que mora nas mesmas condições até hoje e governo nenhum se comoveu. Nem você se importou com isso enquanto presidente. Óbvio! Na maioria das vezes, onde há um povo simples, que mora na casinha como a de seu passado, que põe o filho naquela escola em que as crianças sentam no chão e querem somente a merenda de lá (quando tem), há ali um povo sem cultura, que vive de migalhas oferecidas por um governo autoritário, um governo que manipula e agrada essa gente simples, que nunca ouviu falar em cidadania.

Só consigo sentir nojo quando vejo essa sua cara na TV. Tenho náuseas quando ouço sua voz. Deus me perdoe por isso. Tenho raiva da idolatria pra cima de você, que é tão mentiroso, corrupto, hipócrita, sujo. Saiba que há muitas vivas almas mais honestas que você.

Sinto revolta quando penso que meus pais, meus amigos e eu já trabalhamos mais que você na vida e, até hoje, não conseguimos acumular nem a riqueza correspondente ao valor de seu triplex. Mas, olha, presta atenção: a casa está caindo. Se segura aí, companheiro! A queda vai ser dolorida.

Tem nível superior?

Hahaha.

 

 

Lucimara Souza

Formada em Letras, Pedagogia e especialista em Comunicação: linguagens midiáticas, atualmente professora. Aprecia a escrita permeada pela criatividade, humor e certa dose de sarcasmo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: