As frutas podres de cada dia

Uma fruta apodrecida, quando próxima à fruta boa, tende a estragá-la também. É um processo natural. Você, com certeza, já observou esta experiência.

Após uma breve pesquisa, constatei que, durante sua atividade metabólica, os frutos emitem um gás incolor e inodoro chamado etileno. É um agente de amadurecimento, digamos assim. Quando em contato uns com os outros, os frutos produzem mais desse hormônio, antecipando seu processo de maturação e posterior apodrecimento.

Há pessoas que se assemelham a esses frutos apodrecidos. Em um grupo, seja de amigos ou de colegas de trabalho, apresentam-se bem, sempre sorrindo, prezam pela popularidade, querem evidência. Entretanto, sua alma e mente são doentes. E é isso que vai fazê-la tentar o tempo todo afetar o bem-estar por onde passar. Sua boca exala maldade e sua impressão é constantemente ruim acerca de tudo e de todos.

Engraçado é que pessoas assim só se tornam um problema para outras pessoas porque seu amadurecimento é tardio, o oposto da fruta. Elas não podem ser contrariadas, não dominam suas carências, não conseguem lidar com conflitos da alma. Isso independe de bens materiais, de família, de realização profissional. Não há o que as complete integralmente e lhes ofereça um conforto existencial. Elas jamais estão contentes, o sorriso não é sincero e a alegria só estampa o rosto quando zombam do outro, riem do outro ou apontam defeitos no outro. Quando encontram alguém que partilha dessa nocividade elas ganham força. É aí que se tornam bactérias a se proliferarem.

A diferença é que a fruta podre está lá na fruteira. Qualquer pessoa pode constatar seu estado e jogá-la fora ou transformá-la em adubo orgânico. Já a “pessoa podre” não demonstra fisicamente que ela é nociva. Em um grupo, ela vai ficando, contaminando os membros com sua crueldade, tentando influenciar comportamentos. Depende de cada um observar como ela se porta e passar a manter distância.

Manter um afastamento da fruta podre de cada dia não nos deixa livres de críticas, mas nos torna leves e bem mais felizes.

Voltando um pouquinho a falar da fruta, eu diria que, para aproveitarmos o melhor dela, devemos consumi-la rapidamente ou, em alguns casos, colocá-la na geladeira para retardar um pouco seu amadurecimento.

Já, para extrairmos o melhor do conteúdo de uma pessoa podre, o melhor a fazer é pedir que ela se sente em um iceberg, em posição de meditação e sozinha, claro, para refletir sobre sua conduta, a fim de acelerar seu amadurecimento ou, em alguns casos, pedir que ela morra e nasça de novo.

Falando em “ser humano”, sou mais a segunda opção.

Lucimara Souza

Formada em Letras, Pedagogia e especialista em Comunicação: linguagens midiáticas, atualmente professora. Aprecia a escrita permeada pela criatividade, humor e certa dose de sarcasmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *