Eu o odeio

Ele chegou com toda força. E ainda é primavera.

Eu o odeio, com todas as minhas forças também.

O astro-rei do Sistema Solar não é, nesta época, apenas a estrela mais próxima da Terra. Ele se encosta nela, tenho certeza. Parece abraçar vorazmente cada pessoa que habita este planeta, seja aquela a passar ao nosso lado ou aquela a dividir o mesmo coletivo, o mesmo carro, a mesma sala de aula, a mesma casa, enfim… É gente pegajosa pra todo canto.

Suor. Suor em bicas. Fragrâncias malcheirosas se misturam.

Você toma banho e sai pingando – Suor! – do banheiro. Veste sua roupa nova e, dez minutos depois, está com aquela famosa pizza enorme sob a axila. Indisfarçável. Não há banho, perfume ou desodorante invencíveis.

Ao se levantar da cadeira, do restaurante, do consultório médico ou do cabeleireiro, percebe algo úmido em suas costas e glúteos. Deselegante. E ele está ali, de novo, te constrangendo, quase te mantendo cravado no assento, escorrendo pernas abaixo. O suor.

Ah, e as roupas?

pizza suor tom cruise

Por menos roupa que você use, você estará sempre desconfortável. Por mais básica que ela seja, o sol fará questão de desenhá-la em seu corpo, já envolto por um bafo efervescente, como se alguém tivesse jogado um balde de água – quente – sobre você. Da cabeça aos pés.

É a temporada em que falta água pra encher continuamente as piscinas das residências, falta dinheiro pra comprar ar condicionado ou viajar para um lugar onde tenha neve. Falta humor, falta disposição, falta vontade de se vestir, se arrumar, se maquiar, de viver. Sobram fortes odores, desejos de férias ininterruptas. Sobram queimaduras de nível hard, vermelhidão pelo corpo, assaduras e alergias. Sobram pernilongos, insetos de todos os corpos celestes e baratas ninjas voadoras. Estas últimas não ficam confortáveis em seu habitat, por isso saem em voos rasantes disparadas a assombrarem até os mais corajosos. É desesperador. Perturbam a vida alheia já em seu nível zero de paciência.
O incômodo vai além. Come-se errado e mal. Dorme-se mal. Acorda-se mal. Contato físico, então, nem se fala. Pode-se considerar qualquer tipo necessariamente evitável.

Definitivamente eu odeio calor. Odeio suor. Odeio a moda do calor. Odeio o cheiro do calor. Odeio os corpos grudentos e brilhantes do calor.

sol calor 40 graus

Amantes do sol e do calor dirão que é intriga, mas como é que faz pra ser feliz no calor em que tenho a sensação de estar vivendo sob 55 graus?

Depois da primavera ainda vem o verão e eu já estou aqui derretendo… Não tem como pular pro outono?

Lucimara Souza

Formada em Letras, Pedagogia e especialista em Comunicação: linguagens midiáticas, atualmente professora. Aprecia a escrita permeada pela criatividade, humor e certa dose de sarcasmo.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: