Professor: Necessário e insubstituível

Cada letra, cada sílaba, cada palavra e cada frase que vão dando sentido ao que trago aqui semanalmente foram-me ensinadas por eles. Uma orientação, uma dica, uma correção, um “puxão de orelha”, um “muito bem” e um “vai lá que você consegue”.

Muito do que aprendi, devo a eles.

Eles encaram com AMOR o desafio de alfabetizar e transmitir valores, ultrapassando todos os limites. Desdobram-se em quarenta para resgatar a autoestima dos alunos mostrando a eles que são capazes e que têm muito valor. Oferecem-lhes a segurança muitas vezes não encontrada em seus próprios lares e indicam sempre o melhor caminho.

Eles não são simplesmente os chatos quando corrigem ou quando registram a “nota vermelha”. O bilhete que mandam no caderno do aluno é um aviso de que estão preocupados com o futuro. São seres humanos comprometidos com a educação, que se dedicam, exigem muito de si e querem bons frutos das sementes plantadas.

Muitas vezes, mesmo com uma vida de sacrifícios, recompensada com pouco respeito e pouco dinheiro, eles ainda preferem dividir o saber que possuem, preparando os seres humanos para se tornarem cidadãos autoconfiantes.

Constantemente são humilhados por alunos e seus pais, ridicularizados, hostilizados, ameaçados, atacados, apontados, desrespeitados, julgados da pior forma possível, e, como se não bastasse, agredidos verbal e fisicamente. É triste de se ver. É mais triste sentir.

Eles são os professores. Muitos deles já pensaram em desistir da carreira por enxergarem tanta indiferença, tanto desrespeito, tanta desvalorização.

Há os que pensam que professor é importante, mas que podem ser substituídos pelas novas tecnologias, internet, que facilitam bem mais a vida do estudante.

Sim, há ótimas ferramentas para acesso rápido às informações do mundo, porém a tecnologia é dona da incapacidade de expressar emoções, transmitir afeto ou vibrar com a primeira palavra lida pelo aluno. Ela auxilia bastante nos processos de ensino e de aprendizagem, contudo, máquinas não conseguem compartilhar de sonhos, projetos, tampouco de dificuldades ou sucesso. Não há interação, não há troca de conhecimentos. Não há lágrimas carinhosamente enxugadas ou sorrisos de felicidade ofertados. A internet não tem ouvidos pacientes.

Jamais o avanço tecnológico tomará o lugar do professor, pois conhecimento baseado na experiência de vida, na intertextualização de saberes só pode ser vivenciado na presença dos educadores, profissionais insubstituíveis e necessários à formação dos seres humanos críticos.

Dos que ensinam desde cedo a convivência com os outros coleguinhas até os de línguas estrangeiras, cursos específicos ou universitários, os professores são aqueles que estão sempre prontos a estender a mão para auxiliar, são os que despertam para a realidade e para a vida, os que participam do nosso crescimento pessoal e profissional.

Como nossos engenheiros, jornalistas, médicos, nutricionistas, enfermeiros, administradores, escritores, professores, entre tantas outras profissões, estariam seguindo sua carreira, se não tivessem passado por anos de aprendizado com os educadores?

Os professores são, portanto, indiscutivelmente essenciais à formação do homem e dignos de respeito e admiração, pois incessantemente dedicam todo amor ao ensino e lapidam as pedras das mais grosseiras, transformando-as em preciosíssimas joias a brilharem em benefício de outros seres humanos.

Eles são os responsáveis por grande parte de nosso maior patrimônio: o conhecimento.
 

Lucimara Souza

Formada em Letras, Pedagogia e especialista em Comunicação: linguagens midiáticas, atualmente professora. Aprecia a escrita permeada pela criatividade, humor e certa dose de sarcasmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *