Monastério de Montserrat – Catalunha, Espanha

Uma pausa também faz parte do trabalho e da viagem e com o tempo irei compartilhar um pouquinho da vida de viver e trabalhar no mundo.

Hoje nossa visita é a Montserrat, um maciço rochoso tradicionalmente conhecido como a montanha mais importante da região da Catalunha na Espanha. Situada apenas a 30km do centro de Barcelona. Nesta montanha de 1.236 metros situa-se o Santuário e Monastério Beneditino, dedicado a Virgem de Montserrat.

As formas das montanhas mais emblemáticas da região da Catalunha são o resultado de um processo geológico de milhões de anos. Com a erosão e a água atuando sobre materiais de diferentes resistências e composições, surgiu então a impressionante montanha colorada no tom ouro sobre um campo. Montserrat um local com característica mágica é um maciço desenhado em formas de agulhas e atualmente é uma magnificência da natureza.

Conta a lenda que no ano de 880, um sábado a tarde uns pastores caminhavam com as suas ovelhas próximo a Montserrat e viram descer do céu uma forte luz, acompanhada por um canto angelical. Durante os quatro sábados seguintes a visão se repetiu e o bispo ao interar-se da notícia organizou uma visita durante a qual encontraram uma cova em que havia uma imagem de madeira.

O bispo então propôs levar a imagem a uma catedral no vilarejo chamado Manresa, preparou uma procissão, mas ao tentar retirar a imagem, esta se fez tão pesada que não a pode mover. O bispo interpretou o fenômeno como o desejo da Virgem de ficar ali naquele lugar e ordenou a construção da capela de Santa Maria, atual origem do Monastério Beneditino.

Aqui deixo uma breve descrição da imagem, já que fotos não eram permitidas: A virgem é talhada numa madeira em estilo românico, a figura tem o rosto alargado e uma delicada expressão. Uma coroa descansa sobre sua cabeça e a do menino Jesus. Em sua mão direita sustenta uma esfera que representa o símbolo do Universo, e a mão esquerda se estende adiante.  A imagem esta sentada e mede 95cm, quase toda a estatua é dourada, exceto o rosto e as mãos da virgem e do menino Jesus. Estas partes tem uma cor preta entre o castanho e o marrom, em virtude da coloração a Virgem está catalogada entre as virgens negras. Por isso é chamada com muito carinho em castelhano: La Moreneta ou La Morenita.

A origem do Monastério é incerto, acredita-se que durante o ano de 1011, um monge procedente do Santuário de Santa Maria de Ripoll chegou a montanha para encarregar-se do monastério de Santa Cecília, sob as ordens do abade Oliba de Ripoll. Santa Cecília não aceitou a nova situação e o abade Oliba decidiu fundar o Monastério de Santa Maria, lugar onde se encontrava uma antiga capela com o mesmo nome.

O monastério logo se converteu num santuário, e isso fez com que o aumento de doações e dízimos recebidos dos peregrinos e visitantes permitisse um crescimento constante do recinto religioso. Nos séculos XII e XIII foi construída a igreja românica e dessa data procede a imagem da Santa que é venerada atualmente. No século seguinte foi o início de uma luta de Montserrat para conseguir a independência do monastério de Ripoll, que veio a acontecer apenas no ano de 1410.

Essa capela se converteu na mais importante de todas as que existiam na montanha graças a imagem e aos prodígios que realizava a Virgem, venerada desde o ano de 880.

Em 1409, o monastério se convertia em Abadia Independente e entre os anos de 1493 foi uma época de profundas reformas, crescimento e esplendor.

Já o século XIX foi trágico para Montserrat, nos anos de 1811 e 1812 foi incendiada duas vezes por tropas Napoleônicas. O Monastério foi saqueado e incendiado novamente, perdendo muitos de seus tesouros restando apenas algumas paredes. A partir de 1844 se reestabeleceu a vida novamente no Monastério.

Em 1880 estabeleceu-se o milenário de Monstserrat e o Papa Leon XIII proclamou a Virgem de Montserrat como a Padroeira da Catalunha e o dia da Virgem e celebrado no dia 27 de Abril.

A Guerra Civil Espanhola (1936 – 1939) significou novamente o abandono do monastério, ainda assim o Governo da Catalunha tentou proteger o Monastério de Santa Maria de Montserrat de saques e destruição. Atualmente o monastério contém uma das melhores bibliotecas da Espanha e é formada por uma comunidade de 80 monges, o curioso é que ali também reside meninos que compõe a Escolania de Montserrat, considerada a escola mais antiga de canto da Antiguidade no Ocidente, fundada no século XIII.

Atualmente, Montserrat se modernizou para seguir atendendo e recebendo os peregrinos mesmo mil anos depois de sua fundação. É impressionante como passam os anos e com toda a destruição, guerras, invasões o único que fica intacto é a paisagem. E com a ajuda de arquitetos, restauradores, escultores, engenheiros e trabalhos minuciosos conseguiram reconstruir o Monastério tornando-o um livro de Historia ao vivo!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Graziella Marasea Cebollero

Viaja o mundo a trabalho e com isso reúne diversas histórias e fotos que irá compartilhar com a gente.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: