Confira o que acontece no agronegócio

O que acontece durante a semana no agronegócio você acompanha aqui na Intertv Web.

O colunista Gustavo Batista traz toda semana na coluna “Agro Minuto”, o que no mundo do agronegócio. Acompanhem!

EXPORTAÇÕES AGRO JANEIRO

As exportações do agronegócio foram de US$ 5,67 bilhões em janeiro deste ano, o que significou recuo de 1,3% na comparação com janeiro do ano passado (US$ 5,75 bilhões). A queda nas exportações de soja em grão, de quase meio bilhão de dólares, explica o recuo das vendas no mês. Essa redução foi compensada, em grande parte, pelo aumento do valor exportado de quatro produtos: milho (+42,5% ou +US$ 148,96 milhões em valores absolutos), açúcar de cana em bruto (+35,6% ou + US$ 141,06 milhões em valores absolutos), café verde (+30,2% ou +US$ 108,05 milhões) e farelo de soja (+28,3% ou +US$ 99,17 milhões em valores absolutos).

Milho

As vendas externas de milho atingiram US$ 499,86 milhões (+42,5%), com alta de 22,1% no volume exportado e 16,7% no preço médio de exportação do cereal.

Açúcar

As exportações de açúcar de cana em bruto foram recordes em volume em janeiro, com 1,85 milhão de toneladas (+31,7%). O produto brasileiro segue trajetória positiva iniciada em 2020, em virtude de quedas de produção nos principais produtores asiáticos.

Café

As exportações de café do Brasil atingiram 3,1 milhões de sacas em janeiro, o que gerou receita cambial de US$ 404,13 milhões, alta de 10,2% em relação a janeiro de 2019. Já as exportações no Ano-Safra 2020/21 (jul/20-jan/21) chegaram a 27,8 milhões de sacas de café, crescimento de 17,2% em relação a mesma base comparativa da safra anterior. Este é o melhor resultado para o período nos últimos cinco anos. Os principais destinos do grão brasileiro foram EUA, Bélgica, Colômbia e França.

Cafés diferenciados

O Brasil exportou 500,5 mil sacas de cafés diferenciados em janeiro que representaram 15,9% do total embarcado no mês. A receita cambial dessa modalidade foi de US$ 83,6 milhões, correspondendo a 20,7% do total gerado com os valores da exportação de café, enquanto que o preço médio ficou em US$ 166,99.

As exportações do agronegócio foram de US$ 5,67 bilhões em janeiro deste ano
Foto: Divulgação

CONAB SAFRA GRÃOS

O 5º Levantamento da Safra de Grãos 2020/21 divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento aponta um crescimento na produção total esperada, devendo alcançar 268,3 milhões de toneladas, ou 4,4% (11,4 milhões de toneladas) superior ao obtido em 2019/20. Houve um ganho de 3,5 milhões de toneladas, o que é sustentado pelo crescimento de 4,4% na área de plantio do milho segunda safra. Essa cultura ainda está em semeadura. Com relação à área total plantada, estimada em 67,7 milhões de hectares, representa um crescimento de 2,7% em relação à safra anterior.

Milho

O milho primeira safra teve redução de 0,8% na área cultivada. A produção esperada é de 23,6 milhões de toneladas. Somando-se a segunda e a terceira safras, a produção total poderá atingir 105,5 milhões de toneladas, 2,9% superior à obtida em 2019/20.

Soja

A soja vem mantendo a tendência de crescimento na área cultivada. Nesta safra a estimativa aponta para uma área de 38,3 milhões de hectares, crescimento de 3,6% em relação ao ciclo passado e uma produção de 133,8 milhões de toneladas.

Feijão

O feijão mostra um crescimento na primeira safra de 0,6% na área e produção estimada em 1 milhão de toneladas. Quando somadas as três safras, este número de produção passa para 3,2 milhões de toneladas.

Arroz

A safra de arroz deverá sofrer uma redução de 2,3% na área cultivada, totalizando 1,7 milhão de hectares e 10,9 milhões de toneladas na produção.

Outras culturas

O algodão mostra uma concentração do plantio em janeiro, e previsão de queda de 13,1% na área e 16% na produção. Já o amendoim primeira safra terá crescimento de 3% na área e 560,5 mil toneladas de produção estimada.O trigo tem o seu início de plantio a partir de março, com perspectivas de crescimento de 2,1% na área semeada e 6,4 milhões de toneladas de produção.

O 5º Levantamento da Safra de Grãos 2020/21 divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento aponta um crescimento na produção
Foto: Divulgação

REESTIMATIVA SAFRA LARANJA

A safra de laranja 2020/21 do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro foi reestimada em 269,01 milhões de caixas, de acordo com atualização publicada pelo Fundecitrus. O valor é 6,52% inferior à primeira estimativa, de maio de 2020, e 30,45% menor em relação à safra anterior. Esta é a pior quebra dos últimos 33 anos, marcada pelos efeitos da bienalidade da cultura aliada a condições climáticas adversas.

Considerando todas as variedades, o tamanho médio é mantido em 261 frutos por caixa, o que significa que cada laranja deve pesar, em média, 156 gramas, peso 8% inferior à média das últimas cinco safras (169 gramas). Já a projeção da taxa de queda de frutos subiu de 21,10% para 21,20%, avaliando todas as variedades. O aumento é justificado devido à elevação da taxa da variedade tardia Natal em 0,8%. O fechamento da safra de laranja 2020/21 será divulgado em 12 de abril.

A safra de laranja 2020/21 do cinturão citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro foi reestimada em 269,01 milhões de caixas
Foto: Cocamar

Gustavo Batista

Gustavo Batista é jornalista há 20 anos com pós-graduação em gestão de comunicação. Tem experiência em rádio, tv, assessoria de imprensa e meios digitais. Já atuou em canais de tv como TV Clube, TV Record e TV Thathi. Atua há 10 anos no setor de Agronegócio.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: