A importância do Zinco na prática de atividade física

Os atletas precisam estar atentos não apenas ao consumo dos macronutrientes (carboidratos, lipídios e proteínas), mas também a ingestão adequada de vitaminas e minerais. A carência de micronutrientes pode levar a dores musculares, infecções, lesões e queda no desempenho.

Para prevenir ou reduzir os efeitos causados pelo estresse oxidativo gerado pelo exercício intenso, o organismo está equipado com diversos mecanismos de defesa antioxidante. Nesses mecanismos, vários micronutrientes desempenham papel importante, entre eles o zinco, que participa da estrutura da enzima superóxido dismutase, além de ser um potente estabilizador das membranas celulares, de proteínas estruturais e da sinalização celular.

Os antioxidantes são responsáveis por combater os radicais livres, os quais prejudicam as defesas do organismo, aumentam o risco de desenvolvimento de câncer e podem levar ao envelhecimento precoce. O zinco, que age como antioxidante, também está envolvido no processo de crescimento, desenvolvimento, resistência a lesões e aumento da velocidade de recuperação, aumento de massa magra.

mulheres correndo - zinco na atividade física

A participação do zinco no sistema de proteção antioxidante é evidenciada por meio de estudos in vivo, os quais demostram que a deficiência de zinco provoca lesões oxidativas relacionadas à ação de espécies reativas de oxigênio em animais e em humanos, e por meio de estudos in vitro, os quais demostram o antagonismo do zinco à formação de radicais livres em modelos bioquímicos e celulares.

As principais fontes são as os frutos do mar, especialmente as ostras. Outros alimentos como carnes vermelhas, ovos, carne de frango, leite e derivados, oleaginosas e cereais integrais também são boas fontes desse mineral.

Pesquisas apontam que os atletas consomem baixas quantidades de zinco, sendo portanto insuficiente para suprir as perdas que ocorrem pelo suor e urina. O baixo consumo desse mineral está relacionado com a diminuição na força muscular, desequilíbrio da coordenação muscular, falta de motivação e predisposição para a depressão. Sintomas como estes, bem como resfriados constantes, podem ser indicativo da carência de nutrientes na dieta.

Portanto, o acompanhamento nutricional para esse público é essencial, visando garantir a disposição necessária para o ritmo de treinos através da alimentação equilibrada.

Autor

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: