Alimentação para o tratamento da gota

A gota trata-se de uma doença inflamatória desencadeada pelo aumento do ácido úrico. Os casos dessa doença estão aumentando ao longo dos últimos anos, porém a alimentação equilibrada pode prevenir o seu desenvolvimento.

O paciente acaba descobrindo a doença devido aos sintomas que ela causa que inclui dor nas articulações e vermelhidão. A maior incidência de gota é nos homens e a área mais afetada é o calcanhar, mas também pode atingir os cotovelos.

A causa da doença está relacionada com o excesso de ácido úrico no corpo o que leva a formação e acúmulo de cristais nas articulações, causando fortes dores. A doença tem várias fases e no seu estágio final pode levar ao desenvolvimento de artrite gasosa, sendo, portanto, o acompanhamento médico fundamental.

Nos casos de pacientes com gota recomenda-se evitar ou reduzir o consumo de alimentos ricos em proteínas, pois eles aumentam a concentração de ácido úrico no sangue. A dieta para o tratamento dessa doença deve ser seguida apenas com recomendação e acompanhamento de um nutricionista, para evitar desequilíbrios nutricionais. Outro fator importante é ingerir no mínimo, dois litros de água por dia e evitar o excesso de bebidas alcoólicas, principalmente a cerveja.

A seguir alguns alimentos que podem ou não ser consumidos:

Devem ser evitados: extrato de carne; alguns cortes de carne bovina (coração, fígado, rins, miolo); vitela; carneiro; cabrito; galeto; peru; bacon; embutidos em geral; alguns peixes e frutos do mar (arenque, anchova, bacalhau, sardinha, salmão, mexilhão, camarão, ostra, lagosta, caranguejo e ovas de peixe) e bebidas alcoólicas, principalmente a cerveja.  Pacientes que já tiverem ácido úrico elevado podem ter crises de dor caso consumam esses alimentos em excesso.

Alimentos que podem ser consumidos de forma moderada: 100 gramas por dia de carne bovina (alcatra, coxão mole e duro, patinho); 120 gramas de frango sem pele; 100 gramas de peixe (exceto os citados anteriormente); meia xícara de leguminosas como feijão, ervilha, grão-de-bico e lentilha; aspargos; cogumelos; espinafre e couve-flor; margarina; manteiga e chocolate.

Alimentos com baixo teor de purina que podem ser consumidos com mais frequência: frutas; café; leite desnatado; queijo minas frescal; iogurte desnatado; arroz; massas; pães; biscoitos; cereais; verduras e legumes (exceto os já citados); nozes; azeite; azeitona; pipoca e óleos.

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: