Dieta Low Fodmaps

Essa estratégia nutricional é indicada apenas para pacientes que possuem a real necessidade de uma modificação na ingestão alimentar.

Fodmaps é um termo em inglês que significa fermentable, oligosaccharides, disaccharides, monosaccharides and polyols, que sinaliza uma dieta restrita nos carboidratos citados. Esses tipos de carboidratos (monossacarídeos, dissacarídeos, fruto-oligossacarídeo, galacto-oligassacarídeo e polióis) são fermentativos e não digeríveis no intestino delgado. Além disso, absorvem mais água para o meio intestinal sendo rapidamente fermentados pelas bactérias, facilitando a formação de gases e o desconforto gastrointestinais. 

Essa estratégia nutricional é indicada apenas para pacientes que possuem a real necessidade de uma modificação na ingestão alimentar. Pessoas com síndrome do intestino irritável ou outras alterações gastrointestinais, podem se beneficiar. A dieta Low Fodmaps ajuda a controlar os sintomas de flatulência (gases), má digestão, distensão abdominal, constipação ou diarreia, cólicas e disbiose. Quando o desconforto gastrointestinal é alimentar, a retirada dos alimentos ricos em fodmaps auxiliam muito, porém se os sintomas persistirem a dieta deve ser interrompida. É importante lembrar que não são todas as pessoas que apresentam sensibilidade com a fermentação desses carboidratos citados.

Foto: Divulgação

A dieta low fodmaps deve ser seguida de 6 a 8 semanas, período considerado suficiente para que os sintomas desapareçam ou não. Após esse período é realizado uma nova avaliação nutricional e médica e reintrodução gradual dos alimentos, um por vez, para identificar os alimentos causadores do desconforto. Esse tipo de dieta deve ser feita por um nutricionista que será capaz de equilibrar os carboidratos, fibras, minerais e vitaminas que não estão listados como fodmaps.

Os alimentos considerados Fodmaps são: maçã, pera, manga, aspargos, ervilha, xarope de milho, xarope de frutose, mel artificial, biscoitos, refrigerantes, geleias, leite de vaca, de cabra, ovelha, queijo ricota, cottage, sorvete, iogurte e outros que contenham leite, cebola, alho, trigo, centeio, beterraba, couve, trigo, bolos, ketchup, maionese, carnes processadas, entilha, grão-de-bico, feijão, grãos integrais de soja, pêssego, damasco, ameixa, abacate, cogumelos, adoçantes com xilitol, manitol, sorbitol e produtos com glicerina.

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: