Alimentos diet e light

Os alimentos diet e light, segundo a AVISA recebem a seguinte definição: os alimentos DIET (contemplados na Portaria SVS/MS 29/1998) são aqueles destinados a dietas com restrição de nutrientes (ex: açúcares; gorduras; proteínas e sódio). Logo, são alimentos para fins especiais, ou seja, formulados especialmente para grupos da população que apresentam condições fisiológicas específicas, apresentando na sua composição quantidades insignificantes ou são totalmente isentos de algum nutriente. Como por exemplo, estão as geleias de frutas para dietas com restrição de açúcares, sendo permitido apenas a presença dos açúcares naturalmente existentes nas matérias-primas utilizadas (em alguns casos são adicionados edulcorantes para obtenção do gosto “doce”).

Já os termos LIGHT e ZERO (estabelecidos pela Portaria SVS/MS 27/1998) são uma informação nutricional complementar, que é qualquer representação que afirme, sugira ou implique que um alimento possui uma ou mais propriedades nutricionais particulares, relativas ao seu valor energético e o seu conteúdo de proteínas, gorduras, carboidratos, fibras alimentares, vitaminas e/ou minerais. É de caráter opcional e deve cumprir com os requisitos e atributos estabelecidos pela Portaria.

Os alimentos LIGHT são aqueles que apresentam a quantidade de algum nutriente ou de seu valor energético reduzido, quando comparado a um alimento convencional. Para que seja considerado light, são definidos os teores de cada nutriente e/ou valor energético do alimento. Por exemplo, iogurte com redução de 30% de gordura é considerado light.

Com base nessas definições, podemos ver que esses alimentos, apesar de terem uma proposta que vise à perda de peso, não são tão saudáveis assim. Quando a indústria reduz ou retira um nutriente do alimento, para manter o sabor e consistência do mesmo é necessário adicionar outro ingrediente. No caso dos alimentos com redução de gordura a indústria aumenta a adição de carboidratos, então o alimento passa a ter menos gordura, mas mais carboidratos. Pensando na digestão dos dois nutrientes, a gordura tem uma digestão mais lenta e o carboidrato mais rápida, sendo assim um alimento com maior quantidade de carboidratos poderá fazer com a fome apareça mais rapidamente. Nesse caso, compensa ingerir o alimento na sua versão tradicional. Essas modificações no alimento feitas pela indústria nos mostram mais uma vez como é melhor priorizar os alimentos que são menos processados.

Portanto, para ter um estilo de vida e uma alimentação saudável não é preciso ficar ingerindo alimentos diet e light, é na verdade preciso investir em comida de verdade! O principal é manter a variedade e qualidade dos alimentos e não focar apenas nas suas calorias. O emagrecimento será muito mais saudável com menos alimentos industrializados.

Autor

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: