Confira o que acontece no agronegócio

O que acontece durante a semana no agronegócio você acompanha aqui na Intertv Web.

O colunista Gustavo Batista traz toda semana na coluna “Agro Minuto”, o que aconteceu na semana no mundo do agronegócio. Acompanhem!

EXPORTAÇÃO FRUTA

A exportação de frutas em setembro alcançou 117 mil toneladas. O volume é recorde e é o mesmo exportado em setembro de 1997 quando os registros começaram. O volume exportado nos primeiros nove meses de 2020 está 5% superior em relação ao mesmo período de 2019. Já a receita com frutas em 2020 encontra-se semelhante à de 2019, próxima a US$ 450 milhões. Destaque para as vendas de manga, melão e melancia.

(Fonte: MAPA)

EXPORTAÇÕES CAFÉ

Em setembro, o país exportou 3,8 milhões de sacas de café – considerando a soma de café verde, solúvel e torrado e moído. O volume representa a maior quantidade de café brasileiro exportado para o mês e um aumento de 8,6% em relação a setembro de 2019. A receita cambial gerada pelas exportações chegou a US$ 458 milhões. Com isso, o preço médio da saca de café foi de US$ 120,7/saca.

(Fonte: CECAFE)

A exportação de frutas em setembro alcançou 117 mil toneladas. O volume é recorde e é o mesmo exportado em setembro de 1997 quando os registros começaram
Foto: Divulgação

VALOR BRUTO PRODUÇÃO

Em 2020, o agronegócio deve ter um Valor Bruto de Produção (VBP) de R$ 771,4 bilhões. Valor 10,1% superior em relação a 2019 e o maior já obtido na série histórica iniciada em 1989. Destes números, R$ 252,3 bilhões são da pecuária.

REBANHO BOVINO

A pecuária bovina do Brasil voltou a crescer após dois anos seguidos de quedas. No total são 214,7 milhões de cabeças de gado, o que faz o país ter o segundo maior rebanho do mundo. A recuperação foi puxada pelo estado do Mato Grosso que aumentou o rebanho em 5,1% e segue como estado com mais cabeças, 31,7 milhões, respondendo por 14,8% do total nacional.

Entre as regiões, o maior crescimento de rebanho bovino ocorreu no Nordeste, avançando 2,7%. O Centro-Oeste concentra um terço do rebanho do país (34,5%), seguido pelo Norte (23,1%), que vem crescendo nos últimos anos.

A cidade de São Félix do Xingu (PA) continua líder no ranking de bovinos com 2,2 milhões de cabeças de gado. Corumbá (MS) segue em segundo lugar (1,8 milhão). Já Vila Bela da Santíssima Trindade (MT) despontou da sétima posição em 2018 para a terceira devido a alta de 14% do rebanho, somando 1,2 milhão de animais.

A pecuária bovina do Brasil voltou a crescer após dois anos seguidos de quedas
Foto: Divulgação

PRODUÇÃO LEITE

A produção de leite de vaca alcançou em 2019 cerca de 34,8 bilhões de litros, um aumento de 2,7% em relação ao ano anterior. O valor de produção atingiu R$ 43,1 bilhões. Essa alta vem do ganho de produtividade, já que o efetivo de 16,3 milhões de vacas ordenhadas foi 0,5% menor em relação ao ano anterior. Com menos animais produzindo mais leite, a produtividade subiu para 2.141 litros de leite por vaca ao ano.

A região Sudeste voltou a ser a maior produtora de leite do país em 2019, com 34,3% de participação, tirando a liderança do Sul. Minas Gerais segue como maior estado produtor, seguido por Paraná e Rio Grande do Sul. Os três produzem mais da metade do leite nacional (51,9%).

Dos dez maiores municípios produtores de leite, sete são mineiros. O maior, porém, é Castro (PR).

REBANHO SUÍNOS

O rebanho de suínos reduziu 1,6% em 2019, somando 40,6 milhões de cabeças. Em contrapartida, o número de fêmeas destinadas à procriação (matrizes) apresentou acréscimo pelo terceiro ano consecutivo e atingiu a marca de 4,8 milhões, alta de 0,5%, o que indica que os produtores estão realizando investimentos no setor.

O rebanho de suínos reduziu 1,6% em 2019, somando 40,6 milhões de cabeças
Foto: Divulgação

PRODUÇÃO DE OVOS

A produção de ovos bateu recorde no Brasil. Cresceu 4,2% e alcançou a marca de 4,6 bilhões de dúzias, sendo que 83,2% foram provenientes de granjas de médio e grande porte. Somente o sudeste representa 43% da produção total.

PREÇO LARANJA E LIMÃO

As cotações da laranja continuam em elevação na parcial da semana, a variedade pera registrou média de R$ 39,71/cx de 40,8 kg. Alta de 11,9% em relação a semana passada.

A lima ácida tahiti, o limão, tem oferta de fruta restrita, mas há maior disponibilidade de produto miúdo. Depois de chegar a R$ 90,00/cx de 27 kg, o valor parcial de comercialização caiu pra R$ 64,50/cx, preço 20,6% inferior a semana passada.

As cotações da laranja continuam em elevação na parcial da semana, a variedade pera registrou média de R$ 39,71/cx de 40,8 kg
Foto: Divulgação

Gustavo Batista

Gustavo Batista é jornalista há 20 anos com pós-graduação em gestão de comunicação. Tem experiência em rádio, tv, assessoria de imprensa e meios digitais. Já atuou em canais de tv como TV Clube, TV Record e TV Thathi. Atua há 10 anos no setor de Agronegócio.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: