A relação da alimentação com a candidíase

Quando há o desenvolvimento da candidíase é necessário uma avaliação médica, porém a alimentação pode ajudar no tratamento e no controle.

Nosso organismo é composto por uma grande variedade de micro-organismo que convivem em harmonia, principalmente quando avaliamos o nosso trato gastrointestinal. Algumas situações como o uso de antibióticos, quimioterápicos, estresse, diabetes, podem gerar um desequilíbrio desses micro-organismos, facilitando o desenvolvimento de alguns que podem gerar doenças no nosso corpo, como a candidíase.

A candidíase é causada por um fungo chamado cândida que pode afetar mulheres e homens em todas as idades. Quando o organismo passa por algum distúrbio há o supercrescimento desse fungo e o desenvolvimento da candidíase. Os sintomas podem surgir no sistema digestório havendo náuseas, flatulências, alergias alimentares, diarreia ou constipação. Ainda podem ocorrer alterações na pele como a acne e infecções vaginais em mulheres e prostatites nos homens.

Foto: Divulgação

Quando há o desenvolvimento da candidíase é necessário uma avaliação médica, porém a alimentação pode ajudar no tratamento e no controle, pois uma alimentação equilibrada influencia diretamente no controle da proliferação do fungo.

A adequação alimentar deve ser individualizada e deve oferecer nutrientes que promovam um ótimo funcionamento do sistema imunológico, como zinco, selênio, vitamina E e biotina. Pesquisas revelam que a ingestão excessiva de alimentos ricos em açúcares (doces, bolos, balas, chocolate), podem estimular a proliferação do fungo. Além disto, excessos de bebida alcoólica e de cafeína são contraindicados.
A atenção também deve direcionada para alimentos que tem maior susceptibilidade a contaminação por fungos como amendoim, milho, coco ralado e castanha de caju. Deve-se ainda eliminar a ingestão de queijos e pães com a presença de fungos, cogumelos e alimentos fermentados como a própria cerveja.

Foto: Divulgação

A substituição do leite de vaca pelo leite de soja é aconselhada, pois a lactose (açúcar do leite) pode contribuir para a proliferação do fungo. O excesso de gordura saturada deve ser evitado, assim como de gorduras trans. Devemos ingerir gorduras boas que irão fortalecer o sistema imunológico como o ômega 3.

Estudos indicam que os probióticos devem ser utilizados para auxiliar no tratamento da candidíase. Os probióticos, encontrados no iogurte, nos leites fermentados ou até mesmo na forma de suplementos (cápsulas ou sachês) são bactérias benéficas capazes de melhorar nossa microbiota intestinal e assim o sistema imune. Se utilizados juntamente aos prebióticos tem melhor ação. Estes últimos, encontrados também na forma de suplementos ou presentes em alimentos como a farinha da banana verde e na batata yacon, são carboidratos não digeríveis que também melhoram a microbiota.

A condução do tratamento deve ser realizada por um profissional capacitado, conciliando a orientação nutricional aos cuidados médicos.

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: