Alimentação e depressão pós-parto

A depressão pós-parto (DPP) é um importante problema de saúde pública, afetando tanto a saúde da mãe quanto o desenvolvimento de seu filho. A manifestação desse quadro acontece, na maioria dos casos, a partir das primeiras quatro semanas após o parto, alcançando habitualmente sua intensidade máxima nos seis primeiros meses.

Os sintomas mais comuns são desânimo persistente, sentimentos de culpa, alterações do sono, ideias suicidas, temor de machucar o filho, diminuição do apetite e da libido, diminuição do nível de funcionamento mental e presença de ideias obsessivas ou supervalorizadas. A prevalência da DPP está entre 10 e 20% de acordo com a maioria dos estudos.

Um fator simples e muito importante que grande parte das mulheres desconhece é que a alimentação pode ser um fator primordial para evitar o aparecimento desse quadro. Além de uma alimentação diversificada e equilibrada, rica em fibras, cereais integrais, carnes magras e frutas frescas a mulher deve ter atenção com os alimentos fontes de cálcio e ômega 3.

Esses nutrientes auxiliam na diminuição dos sintomas da depressão e, além disso, o ômega 3 ajuda a melhorar a saúde cardiovascular e o sistema imunológico. As fontes alimentares de cálcio incluem leite, derivados e vegetais verdes escuros, e as fontes de ômega 3 são os peixes de água frias e a linhaça.

As fontes de ferro, tão importantes na gestação para evitar a anemia, devem continuar fazendo parte da alimentação. Pesquisas sugerem que a suplementação de ferro também pode amenizar os sintomas da depressão.

Além desses cuidados alimentares, torna-se importante salientar que as mulheres que sentirem alguns desses sintomas necessitam buscar acompanhamento médico e psicológico para que tenham uma boa evolução do quadro.

Autor

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *