Nutrição no envelhecimento

Atualmente é possível observar que esse cenário vem se modificando e é possível encontrar atividades voltadas para esse público, com o objetivo de torna-los mais ativos e saudáveis.

O envelhecimento é um processo normal e gradual que o organismo passa e é marcado por perda progressiva nas funções cognitivas do corpo. A idade avançada é caracterizada por alterações como redução na mobilidade, capacidade respiratória, circulatória, perda de equilíbrio e modificações psicológicas. Um fator importante para a população idosa, é que essas perdas gradativas na capacidade mental, social e física podem acarretar em exclusão, podendo desencadear sentimentos de desamparo e até depressão.

Atualmente é possível observar que esse cenário vem se modificando e é possível encontrar atividades voltadas para esse público, com o objetivo de torna-los mais ativos e saudáveis. Nessa fase é fundamental não apenas garantir uma maior sobrevida, mas oferecer uma vida com qualidade e lazer.

A alimentação também pode ser prejudicada, pois o olfato e paladar ficam progressivamente comprometidos e é comum o idoso se desinteressar por doces e salgados. A produção de saliva também é reduzida e aparecem as dificuldades no processo de mastigação e deglutição, que causam impacto significativo na quantidade e qualidade da ingestão do alimento. Portanto, a alimentação na terceira idade deve evoluir conforme as necessidades do paciente, visando a melhor aceitação dos alimentos para evitar carências nutricionais. Além disso, a presença de doenças crônicas que levam ao uso de vários medicamentos que podem reduzir o apetite ou interferir na absorção de vitaminas e minerais.

A seguir algumas dicas alimentares que irão contribuir na nutrição adequada na terceira idade.

Organização do cardápio: variado e diversificado em alimentos com boas fontes de nutrientes, garante refeições adequadas e equilibradas, permite compras racionais (sem excesso ou falta de comida).

– Evite alimentos ricos em gordura, açúcar e sal e pobres em fibras. Não abuse de enlatados e embutidos.

– Prefira comprar alimentos regionais e de safra, pois é mais acessível e o custo é geralmente menor.

– Se apresentar problemas de limitações para mastigar e engolir, cuidado na forma de preparo. Avalie a consistência, textura, tamanho dos pedaços de alimentos e a quantidade que é levada à boca. Prefira picar em pedaços menores, moer, ralar.

– Coma devagar, mastigue bem os alimentos, sinta que a consistência está de purê na boca. Lembre que a digestão começa na boca, mastigar estimula a produção de saliva, e facilita a digestão.

– Fracione as refeições ao longo do dia. Ideal seriam 5 como café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Sem exageros, pequenas porções, evitar sobrecarregar o trabalho do estômago.

– Inclua sempre alimentos ricos em fibras como verduras, legumes, proteína vegetal (ex. lentilha, feijão, grão de bico, soja), carboidratos complexos (ex. aveia, arroz integral, quinoa).

– Leite e derivados como iogurtes e queijos: são boas fontes de cálcio que previnem a osteoporose, muito comum na idade. A deficiência deste nutriente é perigosa, pois se o idoso sofrer uma queda poderá ter uma fratura o que o impossibilitará de realizar suas atividades.

– Frutas cítricas como laranja, açaí, abacaxi, morangos, maracujá, limão: são fontes de vitamina C importante antioxidante que fortalece o sistema imunológico e previne contra infecções respiratórias.

– Clara de ovo, peixe, frango: fontes de proteína importante para a saúde muscular.

– Água: essencial para o bom funcionamento do organismo, prevenção da infecção urinária, regula a temperatura corporal, controla a pressão sanguínea e previne câimbras.

– Alimentos fontes de ferro como carne vermelha, agrião, feijão, rúcula, couve, brócolis ajudam a prevenir a anemia ferropriva.

– Comer bem e com nutrientes adequados, previne doenças, colabora com a saúde muscular e concentração. Ter a companhia de familiares e amigos estimula o idoso a comer.

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: