‘Na Banda nós todos nos divertimos muito’

O músico e maestro da corporação musical “Maestro Pedrinho Amoroso Sobrinho”, o popular Marquinhos do Sax, deixou os seus 23 anos na área da indústria para trabalhar com Música.

Hoje (23/04) apresentamos a 23ª história da nossa série de reportagens “Personagens de Cravinhos”. O projeto consiste em mostrar, um pouco das pessoas que levam o nome da cidade por todos os cantos do mundo, bem como se destacam no próprio município, com seus empreendimentos, talento, simplicidade e carisma.

E vamos contar a história de um músico famoso em nossa cidade, que tem inclusive o saxofone incorporado ao seu nome, é isso mesmo hoje vamos conhecer um pouco da trajetória do maestro Marcos Roberto Sertório Carvalho, o popular Marquinhos do Sax, que desde os 16 anos está envolvido com a música.

“Meu saudoso pai Onofre foi acordeonista autodidata e eu fui crescendo nesse universo musical, em que via as músicas tocadas por ele com os amigos músicos de Cravinhos, que animavam festas, bailes, entre outros. E foi quando eu tinha 16 anos, que um dos amigos dele, o saudoso Pedrinho Amoroso, mandou me dizer se eu gostaria de aprender algum instrumento de sopro, pois na época em 1986, ele e o saudoso Irineu Santacatharina iriam ensinar”, explica Marquinhos do Sax.

Marquinhos do Sax é reconhecido em toda a região e tem se despontado na área musical
Foto: Arquivo Pessoal

Foi quando, então o jovem Marcos Sertório iniciou seus estudos teóricos de música com Irineu Santactharina, e posteriormente Pedrinho lhe deu um saxofone e o ensinou a prática.

“Meu pai sempre me deixou à vontade, nunca forçou que eu aprendesse qualquer instrumento, aconteceu de uma maneira bem natural”, ressalta Marquinhos do Sax.

Marquinhos é formado pelo Conservatório Artístico e Musical da Escola Contraponto de Ribeirão Preto, atualmente está com 50 anos, é maestro da corporação musical “Pedrinho Amoroso Sobrinho” (Banda do Coreto de Cravinhos), e nessa semana teve um papo bem descontraído com a nossa reportagem para contar um pouco de sua história de vida e musical. Acompanhe!

O maestro Marquinhos do Sax iniciou seus estudos com 16 anos, e vem se aperfeiçoando em seus instrumentos
Foto: Arquivo Pessoal

InterTV Web – Se você não fosse músico, o que seria?

Marcos Roberto Sertório Carvalho (Marquinho do Sax) – Se eu não estivesse hoje trabalhando com música, certamente estaria trabalhando na área da Indústria onde fiquei por 23 anos, antes de migrar para música. Sou formado em Desenho e Projeto de Máquinas, estudei também no Senai de Ribeirão Preto, Mecânica Geral, e trabalhei na área de Ferramentaria por 10 anos. Com certeza estaria trabalhando nessa minha profissão também.

InterTV Web – Quem são as suas fontes inspiradoras na música?

Marquinho do Sax – Meu pai, via nele uma paixão imensa pelo acordeon, a maneira que ele aprendeu e de certa maneira poder extravasar toda dificuldade emocional e financeira, pois, os tempos eram muito difíceis e ele não desanimava, juntamente, com aquela turma da música.

InterTV Web – Qual a sensação de estar à frente da corporação musical “Pedrinho Amoroso Sobrinho”?

Marquinho do Sax – Sensação muito boa em participar de algo da cidade que sou filho e resido. Foi nela que tive minha primeira experiência na música. Ali na Banda nós todos nos divertimos muito, tem que ser algo pra preencher nossas vidas e nos tornarmos melhor. Quando as famílias nós prestigiam não há algo mais gratificante, e é muito bom pra gente saber que muitos corações se alegram, traz lembranças do passado dos entes queridos que por ali passaram, nossa querida praça que tanto nos alegra. Muito importante manter nossa tradição. 

InterTV Web – Hoje é possível viver somente de música?

Marquinho do Sax – É natural que tudo que você fizer bem feito vai colher resultados. Na música também é assim como qualquer outra profissão. Só que na área da música depende muito de um fator que é a economia, se tiver boa o setor de eventos vai bem, se estiver como hoje, devido a Pandemia Mundial, o trabalho no setor de eventos praticamente para, diferente de outras áreas. Então seria de suma importância além de ser músico também ter outra atividade.  

Atualmente, Marquinhos do Sax, é maestro da Banda “Maestro Pedrinho Amoroso Sobrinho”, uma das poucas que ainda preservam a tradição das “retretas dominicais”
Foto: Arquivo Pessoal

InterTV Web – As retretas dominicais são realizadas em poucas cidades do interior paulista. Mas em Cravinhos a tradição continua. Como você vê isso?

Marquinho do Sax – Realmente são pouquíssimas cidades que mantiveram a tradição. Cravinhos se destaca devido aos prefeitos que tiveram essa visão, que um povo sem cultura é um povo sem memória, e também tendo noção de nunca deixar a tradição se acabar. Olha quanta coisa boa tem Cravinhos, não só a Banda! Olha o quanto se investiu nos últimos anos para que a cidade se tornasse mais gostosa e acolhedora. Olha o parque ecológico que show! E que bom que tem música também.

InterTV Web – Como a Pandemia afetou a sua profissão?

Marquinho do Sax – Afetou no sentido de poder estar atendendo aos amigos cerimonialistas. As equipes de música para casamento pararam, e até as aulas nos projetos tiveram que ser suspensas. Mas isso vai passar, perdi amigos, colegas de música e muitos profissionais devido a esse mal, e na minha opinião essa é a maior perda, porque a vida é mais importante.

InterTV Web – Hoje você é uma referência na música. Qual instrumento você mais gosta de tocar?

Marquinho do Sax – Fico feliz por isso! Música é algo que eleva nossa autoestima, produz bons fluídos, nos livra de doenças da alma, nos aproxima de Deus, nos proporciona amizades e troca de conhecimentos. Além do saxofone também toco flauta tranversal profissionalmente. Estudei um pouco de piano para ter referências de Harmonia.

InterTV Web – Qual a sensação de ver seu irmão e filhos também como grandes músicos?

Marquinho do Sax – Sensação de felicidade. O Fabrício meu irmão, o João Paulo segundo filho que toca trompete e o Vinícius, o caçula, está estudando contrabaixo e também toca ritmo na Banda. Eles se tornaram bons cidadãos e boas pessoas, esse convívio influência muito mesmo na formação. O Fabrício começou quando tinha 11 anos, o João 10 anos e o Vinicius 12 anos.

InterTV Web – Qual a história mais marcante que você tem com a cidade de Cravinhos?

Marquinho do Sax – Nossa agora é difícil… muita coisa boa viu, mas vou citar uma que sempre guardei com carinho, que é ter tomado o primeiro banho de piscina aos 6 anos no Parque Infantil Major Victor Ramos. Lembro como se fosse ontem. Minha professora era a Sandra Parise e a diretora a saudosa Clara Moraes.

InterTV Web – O que Cravinhos significa para você?

Marquinho do Sax – Orgulho de ser daqui! Aqui nasci e aqui quero ficar até quando Deus permitir. No meio musical ao redor daqui, pessoal me chama Marquinhos de Cravinhos, acho até melhor que Marquinhos do Sax [risos].

“As equipes de música para casamento pararam, e até as aulas nos projetos tiveram que ser suspensas”
Foto: Arquivo Pessoal

InterTV Web – Ultimamente tem feito apresentações itinerantes pela cidade. Essa é uma forma de alegrar a população durante a Pandemia?

Marquinho do Sax – Nossa quantos corações se alegraram. Sabemos que não podemos aglomerar e coisa tal, mas ali por ser aberto ao ar livre e as pessoas ficarem das suas casas, graças a Deus tem corrido tudo bem.

InterTV Web – Suas considerações finais.

Marquinho do Sax – Meus agradecimentos a todos incentivadores, professores, mestres, minha família, amigos de trabalho do passado e presente. São lembranças que ficam pra sempre em minha memória e me traz felicidade. Agradeço ao Kennedy e a InterTV Web por esse espaço para contar um pouco de minha história. Agradeço a Deus por poder viver em paz, ter saúde e em uma terra abençoada como minha cidade e meu país. Dias melhores virão, se Deus quiser.

Kennedy Oliveira

É formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelas Faculdades COC (atualmente Estácio). É pós-graduado em Comunicação: linguagens midiáticas, pelo Centro Universitário Barão de Mauá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: