O Pardal e a Rolinha!

Hoje, distraidamente, para a rua estava olhando,

quando numa pequena poça d’água,

vi um pardal e uma rolinha, alegremente, se banhando.

Como era a primeira vez que aquela cena eu via,

fui me sentindo atraída pelo modo como o pardal fazia.

Ele mergulhava o corpinho dentro daquela pocinha

logo depois ressurgia e as asinhas batia.

Via então, alegremente, a rolinha o imitando,

e durante muito tempo o show continuei olhando.

Do lugar onde eu estava podia observá-los bem,

sem que os assustasse e sem que me vissem também.

Talvez por ser mais esbelto e ela ser mais gordinha,

o pardal era mais ágil e a rolinha mais lerdinha.

Mas isso não impedia que o pardal continuasse

a ensinar a rolinha o modo como nadasse.

Pareciam tão felizes ali naquela pocinha,

e cada um a seu modo fazia uma gracinha.

Indiferentes aos outros pássaros que rente a eles voavam,

brincando os dois juntinhos, seu grande show eles davam.

Era como se desafiassem todas as leis naturais,

rindo o tempo inteiro e desprezando tudo mais.

Isso fez com que eu pensasse naqueles que não vivem bem,

porque não rompem as barreiras do preconceito também.

Ao ver o pardal brincando ali com aquela rolinha,

fiquei pensando na lição que daquele modo vinha.

Espero que ao ler esse poema, “O Pardal e a Rolinha”

você possa entender o que eu quis dizer entrelinhas.

Mas se você não entender não se preocupe não,

talvez não seja por aqui que aprenderá uma lição

Autor

Irene Coimbra

É professora, escritora, poeta, produtora e apresentadora do Programa “Ponto & Vírgula” na TV MAIS RIBEIRÃO. Fundadora da Revista Ponto & Vírgula em Ribeirão Preto.  Editora e Promotora de Eventos Literários.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: