A preservação da mama com a volta do câncer

A evolução do planejamento e da tecnologia também auxiliam que as radioterapias sejam efetivas e menos tóxicas.

No final dos anos 1980, os pesquisadores Veronesi e Fisher revolucionaram o tratamento do câncer de mama, provando que seria possível preservar a mama das pacientes desde que o tumor fosse removido, com margens de segurança, e o tratamento radioterápico fosse realizado. Nascia o tratamento conservador, hoje considerado o padrão ouro no tratamento cirúrgico do câncer de mama.

Apesar da segurança deste tratamento conservador, um percentual pequeno de mulheres tratadas pode apresentar recidiva, ou seja, o reaparecimento da doença. Até então, sempre que uma mulher submetida à conservação da mama e radioterapia apresentasse sinais de volta da doença, ela não tinha escolha e estava destinada à mastectomia. Nem preciso dizer o peso e desconforto causados por este tipo de situação, não é mesmo?

Recentemente alguns trabalhos científicos, que investigam a possibilidade de novo tratamento conservador para pacientes selecionadas com recidiva da doença na mama tratada, mostraram resultados promissores em que há a possibilidade de conservar a mama, realizando novo quadrante e mais sessões de radioterapia.

Foto: Divulgação

Há alguns anos discuti sobre este tema com Dr. Gentilini, naquela época no Instituto Europeu de Oncologia. Ele defendia o requadrante para casos selecionados, porém sem irradiação. Fico feliz que a medicina continue sendo uma ciência de verdades transitórias.

A evolução das técnicas de cirurgia da mama, incluindo o arsenal da cirurgia oncoplástica e a criação de dispositivos como o Biozorb, um marcador 3D para melhorar os resultados estéticos e facilitar o planejamento da radiação, elevou ainda mais as taxas de cirurgia de conservação da mama, ajudando cirurgiões e pacientes a discutir outras opções terapêuticas para preservar as mamas, a autoestima e as chances de qualidade de vida. A evolução do planejamento e da tecnologia também auxiliam que as radioterapias sejam efetivas e menos tóxicas contribuindo para isto.

Portanto, há uma perspectiva de fornecer uma nova linha de tratamento conservador para pacientes que receberam más notícias novamente. A possibilidade de preservação das mamas é notável, mesmo que para um grupo selecionado de pacientes. Mais estudos são necessários e, talvez em um futuro próximo, essa indicação possa ser ampliada. Ganha a mastologia, ganham as mulheres!

Gustavo Zucca

Mastologista, pós-doutorado pela Unesp, especialista em oncoplastia e cirurgia reconstrutora da mama pelo Instituto Europeu de Oncologia – Milão.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: