Atividade física ajuda no combate ao coronavírus, mas estresse prejudica

Com recordes diários de contaminação e mortes, o Brasil é hoje o epicentro da epidemia de coronavírus no mundo.

Além da prevenção recomendada pelas autoridades de saúde, como uso de máscaras, distanciamento social e higienização constante das mãos, é fundamental estar atento ao corpo e à mente para ter uma vida mais saudável.

Com recordes diários de contaminação e mortes, o Brasil é hoje o epicentro da epidemia de coronavírus no mundo, superando os Estados Unidos no número de mortes diárias. Em meio à pandemia descontrolada, um estudo realizado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) apontou que a irisina, um hormônio liberado pelos músculos durante a realização de exercícios físicos, pode ter efeito terapêutico em casos de Covid-19.

“Isso reforça a necessidade de nos cuidarmos. A atividade física libera irisina e aumenta a imunidade, dificultando que o coronavírus entre na célula de gordura”, explica o mestre em anatomia humana e doutor em neuroanatomia, Mario Sabha.

Mestre em Anatomia Humana e doutor em neuroanatomia, Mario Sabha
Foto: Divulgação

O educador físico e personal trainer, Wagner Felix, não só concorda como acrescenta que a prática regular de atividade física pode ajudar até quem pegou a Covid-19.

“Uma pessoa contaminada, que tem como hábito a prática de exercício, tende a possuir um sistema imunológico mais resistente e fortalecido, o que pode colaborar para que a doença não se agrave”, explica.

Mas a quantidade de gente que tem o hábito de praticar atividade física no país não ajuda.

“Menos de 10% da população brasileira”, afirma Wagner. “É como você entrar em um campo de batalha com ou sem escudo. Se você faz atividades físicas regularmente, ao menos 3 vezes por semana e se alimenta corretamente, consumindo vitaminas C e D, a tendência é a de que o seu sistema imunológico crie um ‘escudo’ contra as infecções. Quando não há essa prática, você estará menos protegido para a batalha”, compara o educador físico.

Educador físico e personal trainer, Wagner Felix
Foto: Divulgação

Além da atividade física, é preciso não esquecer da parte emocional e procurar viver longe do estresse. Ele origina uma substância que, na contramão da irisina e em dose elevada, pode fazer mal à saúde: o cortisol, conhecido como ‘hormônio do estresse’.

“Deprime o nosso sistema imunológico e nos deixa vulneráveis a infecções. Em excesso, ele pode inclusive gerar comorbidades que se tornam riscos altos em caso de contaminação pelo coronavírus: a hipertensão e o diabetes”, alerta Mario Sabha.

Sabha diz que é preciso dosar o consumo de notícias que possam causar nervosismo em excesso, fazendo mal à saúde.

“É importante saber o que está acontecendo em sua cidade, estado e país, mas tome o cuidado de não se deixar levar pelo pânico que, eventualmente, determinados assuntos podem provocar”, alerta.

O doutor em neuroanatomia acrescenta que, em casos mais severos de crises emocionais, é preciso buscar tratamento. “Questões psicoemocionais também podem ser tratadas por meio de terapias metafísicas e neurolinguísticas, além da psicoterapia, o importante é escolher uma abordagem com a qual a pessoa tenha uma identificação”, finaliza.

Da Redação

A equipe Intertv Web traz para você as informações e notícias precisas que você precisa.

Um comentário em “Atividade física ajuda no combate ao coronavírus, mas estresse prejudica

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: