Afinal, qual a diferença entre sexualidade e sexo?

É muito comum confundir sexualidade com sexo. Essa pergunta chegou através de uma amiga querida que participou de uma das minhas LIVE no Instagram.

Oi, me chamo Marina Nabão e é um imenso prazer estrear a coluna “Sexualidade sem Tabu” aqui na Intertv Web. Acredito que a sexualidade é um dos caminhos mais potentes para as mulheres recuperarem seu poder pessoal e terem a autoconfiança necessária para viver de acordo com os seus desejos e sonhos mais autênticos.

Para mim, integrar Corpo, Mente e Espírito é a chave para que possamos Crescer, Florescer e Prosperar integralmente.

E é sobre isso que vou escrever aqui, publicando a cada quinze dias textos que informem, eduquem, mas que principalmente instiguem reflexão e autoconhecimento.

Vamos juntas?

Começo pelo começo

É curioso perceber que eu ainda não tinha feito essa importante distinção, que apoia tanto o nosso entendimento sobre as nuances entre sexo e sexualidade. Antes tarde do que nunca, não é mesmo?!

Começo então definindo sexo.

Sexo significa a designação de gênero no nascimento de um bebê. Ele pode ser masculino, feminino e intersexo. Isso tem a ver com a genitália da criança, que pode ser pênis, vagina e as variações do hermafroditismo.

Vejam que aqui estamos falando de uma designação imposta por outros no momento do nascimento. Essa é uma das definições de sexo.

A outra se refere à relação sexual. Ou seja, ao ato de interagir sexualmente com outra ou mais pessoas.

Pronto, definimos sexo.

A sexualidade se refere à expressão total de quem você é como ser humano, sua feminilidade, sua masculinidade e as infinitas variações nesse espectro.

Ela é a interação entre imagem corporal, identidade de gênero, expressão de gênero, orientação sexual, erotismo, órgãos genitais, intimidade, relacionamentos, amor e afeto.

Diferentemente da relação sexual, a nossa sexualidade começa no nascimento e termina na morte. Ou seja, somos todos seres sexuais, mesmo que não pratiquemos sexo com outras pessoas.

Ainda, a sexualidade de uma pessoa inclui suas atitudes, valores, conhecimentos e comportamentos. A maneira como as pessoas expressam sua sexualidade é influenciada por suas famílias, cultura, sociedade, fé e crenças.

Foto: Divulgação

Nesse sentido, vejam que sexualidade tem a ver com inteireza, com compreender os valores e atitudes que temos sobre o nosso corpo, o sexo das pessoas que nos atraem (orientação sexual), a própria identidade e expressão do nosso gênero, que pode ser condizente ou não com o sexo designado no nascimento.  Ela também se expressa na maneira como nos comunicamos com os outros, as experiências de vida que tivemos, os comportamentos que aprendemos na nossa criação e cultura.

A atividade sexual, que também chamamos de sexo, é apenas uma das maneiras pelas quais nós expressamos a nossa sexualidade. Isso inclui, toque sexual, beijos, e os diversos tipos de sexo: oral, anal, vaginal, com penetração, sem penetração, etc.

Creio que com a explicação acima ficou bem clara a diferença entre sexualidade e sexo, não é mesmo?

Aproveito e sugiro aqui algumas formas de explorar a sexualidade:

No espaço cognitivo e mental podemos questionar as formas habituais de pensar corpo, autoimagem, prazer, como comunicamos desejos, como exploramos e conhecemos o próprio prazer, quais os nossos condicionamentos socioculturais que afetam tudo isso, conversando, lendo, vendo minha LIVE no Instagram… rsrs

Podemos também abordar o campo das emoções e sentimentos aos aprendermos a perceber como isso se manifesta quando nós atuamos no campo da sexualidade. Perceba como você se sente em relação à imagem que vê no espelho? Quais emoções surgem na sua exploração erótica – auto prazer e relação sexual? Quais sentimentos você mais associa a ser mulher, LGBTQ, heterossexual? E os sentimentos acerca de masturbação, sexo, oral, anal, vaginal, etc.?

E claro, a exploração da nossa sexualidade também deve vir para o corpo. Precisamos buscar formas de ganhar intimidade com tudo isso que somos. Aprendendo o que não nos ensinaram na escola (ou em casa). Explorando cada pedaço do corpo. Percebendo as nossas sensações corporais. Criando prazer corporal com os 5 sentidos: visão, tato, olfato, paladar e audição. Incorporando o prazer como um ato de autocuidado e auto amor.

Convido você a me contar como essas palavras te tocam? Qual é a sua experiência e entendimento sobre esses conceitos? O que surge? Basta comentar aqui ou me enviar um e-mail no marina@marinanabao.com  que terei o maior prazer em ler e responder.

Com carinho,

Marina

Marina Nabão

Marina Nabão ensina mulheres a se reconectarem com seus corpos, prazer e sexualidade para viverem seus desejos e sonhos com Empoderamento, Autoconfiança e Liberdade. Ela é Coach de Sexualidade e Empoderamento Feminino, certificada no Brasil e EUA. Também é pedagoga, com MBA em Negócios Internacionais. Saiba mais em: www.marinanabao.com

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: