Artistas cravinhenses devem se cadastrar para auxílio emergencial

Os artistas cravinhenses ou proprietários de espaços culturais que queiram se cadastrar para receber o auxílio emergencial devem fazer diretamente no link https://forms.gle/Q3fCt3wEfFbWCTwT8.

O Governo Federal sancionou nos últimos dias do mês de junho, o Projeto de Lei “Aldir Blanc”, que tem como objetivo ajudar profissionais e organizações culturais que perderam renda em razão da crise de Pandemia do Coronavirus. O texto aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro prevê o pagamento de auxilio de R$ 600 para artistas informais. Ao todo serão distribuídos R$ 3 bilhões para a área, os quais serão transferidos da União para Estados, Distrito Federal e municípios.

“Muitos artistas estão parados devido a Pandemia Mundial do Coronavírus, assim esse auxílio vem ajudar a todos, para que possam se manter durante esse período que teatros e outros segmentos devem permanecer fechados”, comenta a diretora de Cultura e Turismo de Cravinhos, Fernanda Molezini.

Podem receber o auxílio emergencial de R$ 600,00 trabalhadores da cultura, como por exemplo, artistas, contadores de histórias, produtores, técnicos, curadores, trabalhadores de oficinas culturais e professores de escolas de arte e capoeira.

“Para que todos que tem direito possam receber esse auxílio criamos um link para cadastro, porque assim que nos forem passadas as informações e próximos passos poderemos já entrar em contato e auxiliar a todos”, diz a secretária municipal de Cultura e Turismo de Cravinhos, Andréa Gaspar.

Também haverá subsídios para manutenção de espaços culturais, pequenas empresas e organizações comunitárias que podem variar de R$ 3 mil a R$ 10 mil por mês, mas nesse caso para receber o valor, eles precisam estar inscritos em pelo menos um cadastro de projetos culturais do estado ou Distrito Federal.

Se enquadram nessa categoria teatros, livrarias, sebos, ateliês, feiras, circos, produtoras de cinema, e várias outras categorias, desde que tenha gestão independente. Espaços ligados à administração pública (como prefeituras e governos estaduais) e a empresas não têm direito de receber o subsídio.

Os artistas cravinhenses ou proprietários de espaços culturais que queiram se cadastrar para receber o auxílio emergencial devem fazer diretamente no link https://forms.gle/Q3fCt3wEfFbWCTwT8. Para mais informações o telefone é o (16) 3951-1614.

Requisitos para receber o auxílio emergencial

– Ter trabalhado ou atuado socialmente na área artística nos 24 meses anteriores à data da publicação da lei (30/06/2020);

– Não ter emprego formal;

– Não receber outro benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal (com exceção do Bolsa Família);

– Ter renda familiar mensal de até meio salário-mínimo por pessoa ou total de até três salários-mínimos;

– Não ter recebido mais de R$ 28.559,70 em 2018;

– Não receber auxílio emergencial.

Quem foi Aldir Blanc

Foto: Divulgação

A lei leva o seu nome devido a sua representatividade no cenário artístico, e por ter sido uma das primeiras vítimas do Coronavírus no Brasil. Aldir Blanc Mendes nasceu no Rio de Janeiro, no dia 2 setembro de 1946. Em 1966, ingressou na Faculdade de Medicina, especializando-se em psiquiatria. Em 1973, abandonou o curso para dedicar-se exclusivamente à música, tornando-se um dos mais importantes compositores de Música Popular Brasileira (MPB).

Uma de suas canções mais famosas, “O Bêbado e a Equilibrista”, feita em parceria com João Bosco, ficou eternizada na voz de Elis Regina.

“O menino nascido no Estácio, Centro do Rio, era um observador das ruas, poeta da vida e da cidade. Captava a alma do subúrbio”. Também se tornou cronista e em seus escritos sempre revelou um grande paixão pela Vila Isabel, onde passou a infância, o time do coração, o Vasco da Gama, e o carnaval.

Blanc batizou também um dos mais tradicionais blocos do Rio, o “Simpatia é Quase Amor”, que desfila há anos em Ipanema, na Zona Sul. A obra de Blanc reúne, ainda, dezenas de canções conhecidas, feitas em parceria com outros ilustres artistas, como Moacyr Luz, Maurício Tapajós, Paulo Emílio, Carlos Lyra, Guinga, Edu Lobo, Wagner Tiso, César Costa Filho, Cristóvão Bastos, Roberto Menescal, Ivan Lins, entre outros.

Kennedy Oliveira

É formado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pelas Faculdades COC (atualmente Estácio). É pós-graduado em Comunicação: linguagens midiáticas, pelo Centro Universitário Barão de Mauá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: