A impulsividade e o viver

Você alguma vez já fez algo por impulso? Não pensou ou não mediu as consequências e simplesmente fez ou falou algo? Deu “a louca” e hora que viu, já tinha acontecido? Pois é, a grande maioria de nós, se não todos, já fizeram algo sem ponderar as consequências, e isso faz parte de sermos seres humanos, mas é necessário cuidado para que a impulsividade não vire rotina.

maria luz - impulsividade

A impulsividade é uma força interna forte que não é raciocinada, levando ao descontrole por conta de um impulso “X” que não se tem controle. Uma emoção toma conta da situação, perturbando a ordem de pensamento, liberando o impulso ocasionando em uma ação sem reflexão.

Muitas vezes nossas palavras saem mais rápido da boca do que nosso cérebro pode processar e/ou agimos mais rápido porque sentimos algo do que por pensarmos algo… Alguns chamam esta atitude de espontaneidade, mas quando tais atitudes levam a prejuízo a terceiros, essas ações devem ser repensadas.

julio costa - impulsividade

A impulsividade algumas vezes pode ser boa e interativa, ajuda na introversão e na timidez, auxilia em algumas interações, porém é necessário que os impulsos sejam exceções, e não regras fixas e frequentes.

Pense naquela briga com seus pais, parceiro ou melhor amigo, as emoções estão tomando conta de você, e conforme a discussão aumenta, você sente-se mais sufocado pela raiva, choro e o nervosismo e ai quando viu já falou ou fez algo que quando se deu conta, não era pra ter dito ou acontecido, este é o impulso que devemos tomar cuidado.

Arrependimento, culpada, longos períodos de reflexões tentando entender o motivo pela qual suas ações aconteceram sem uma lógica aparente, pode indicar que você vem sendo impulsivo. Quando você faz algo sem se dar conta, ou diz palavras sem ao menos refletir sobre elas, atingi não apenas a quem faz ou fala, mas também a todos que estão ao redor.

Tomar consciência do que vem acontecendo e compreender que as atitudes não são tão saudáveis como deveriam, é o primeiro passo. Se você fica estressado facilmente, se sua primeira ação diante um estimulo desconfortável é contra atacar sem medir as consequências, pode ser a hora de pensar sobre o que vem acontecendo e refletir.

As vezes contar até 10 (ou até mesmo até 1.000) é a melhor coisa que se faz, assim você consegue canalizar suas emoções internamente e seu cérebro tem tempo para raciocinar sobre o que vem acontecendo. É necessário tomar as rédeas da situação, da suas emoções e da sua própria vida.

carlos drummond de andrade

“Cabeça quente” não nos leva a lugar nenhum, e ninguém gosta de estar ao lado de pessoas que falam sem pensar ou até mesmo agem. Se ouvir antes de falar, se ver agindo antes de realmente agir, podem ajudar.

Você tem que ser você mesmo, não é obrigado a dizer “amém” a tudo, muito menos se rebaixar, aturar uma ofensa ou não reagir aos estímulos e impulsos, porém pensar melhor no que falamos, na forma com que agimos, podem ser menos doloridas do que apenas fazermos sem refletir.

pensador impulsivo

Se estiver muito difícil lidar com seus impulsos, procure um psicólogo, juntos pensaram como diminuir o sofrimento, e até mesmo se há algo a mais envolvendo suas tomadas de atitudes sem reflexão.

Yasmin Paciulo Capato

Yasmin Paciulo Capato é Psicóloga (CRP: 06 / 136448) clínica e atende as especialidade de Psicoterapia, Orientação Vocacional e Psicodiagnóstico na Clínica Vitalli.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: