Vícios da vida

Vivemos em busca de algo, algo real, que nos dê sentido à vida e que nos traga prazer. Durante esta busca, ao encontramos nossa satisfação saciados podemos partir em busca de outro ou fica com o que nos proporcionou o prazer. Buscando outras formas de saciedade estamos seguindo o curso da vida, porém quando insistimos em ficar com o que nos proporcionou prazer naquele momento, interrompemos nossa busca e ficamos estagnamos, podendo iniciar um vício.

O vício tem vários sentidos e significados e pode ser usada de várias maneiras diferentes. Todos nós temos um tipo de vício: comida, compras, bebida, jogos, fumar, correr… Porém o que o torna este ato preocupante é o prejuízo que eles trarão para a vida de quem o pratica.

“Para a Psicologia, o vício é um mecanismo de fuga emocional em que o indivíduo obtém prazer e foge de sua dor. Existem infinitos tipos de vícios, que são prejudiciais em diferentes proporções. O que separa o vício de um hábito comum é justamente o prejuízo que este comportamento causa na vida da pessoa.” – SBei

O vício acontece na busca do prazer e manutenção da sobrevivência humana, buscando preencher a insatisfação que se sente, e é nele que se encontra uma maneira de suprir o vazio emocional que se sente, independente do motivo que o tenha causado.

Desequilíbrio emocional, necessidade de ser aceito, baixa autoestima, insegurança, busca por status ou influência do comércio e da mídia. São alguns dos vários motivos que podemos encontrar relacionados ao início e instauração do vício.

Cada um encontra em seu vício uma satisfação de prazer própria e qual lacuna é preenchida com a pratica do vício. Cada fumante fuma por um motivo, cada alcoólatra bebe por um motivo, cada jogador joga por um motivo. O vício é o mesmo, porém o que o leva a jogar e o tipo de prazer que buscasse sentir é diferente e único para cada indivíduo.

“O descontrole e a falta de consciência fazem com que a pessoa seja levada pelo impulso do vício e pelo desejo de suprir suas necessidades. Ansiedade, raiva, tristeza, solidão, carência, culpa, alegria e medo são algumas emoções e sentimentos que provocam diferentes reações em cada pessoa. Quando o indivíduo não tem consciência de como cada sentimento age em sua vida, acaba criando formas inconscientes de extravasar.” – SBie

Quando não se consegue limitar quanto fica-se sem realizar determinada atividade, ingerir certa substância, ou até mesmo fazer algo; quando há uma compulsividade e um desejo incontrolável para realizar ou ingerir algo; quando há um prejuízo no trabalho, responsabilidades familiares e sociais, cria deficiências psicológicas e problemas interpessoais, tem efeitos negativos sobre a saúde, humor, auto-estima; precisa-se fazer ou usar mais vezes algo para a obtenção do prazer pode significar que esta viciado. Sentir-se mal, irritado, ansioso, e até mesmo sensações físicas de que não se está bem sem realizar determinada atividade ou ingerir certa substância também confirmam a dependência.

Todos os vícios têm a capacidade de induzir sentimentos de vergonha e culpa, um sentimento de desesperança e sentimentos de fracasso. Além disso, a ansiedade e a depressão são condições comuns entre aqueles com substância e vícios comportamentais. –  SBei

Compreender que existe um problema, e que por mais prazeroso que pareça ser o que a atividade ou a substância lhe traga não é tarefa fácil, mas é o começo para a busca de mudança e superação da dependência.

Não existem causas específicas gerais para qualquer tipo de vício e o que exatamente motiva o indivíduo a buscar a saciedade do prazer da forma com que o faz, os vícios causam impactos relacionados a recompensa, motivação e memória, mas cada caso é tratado de forma única e independente sobre o motivo que leva à busca de prazer e a instauração do vício.

Reconhecido o problema, é necessário procurar ajuda psicológica (psicoterapia) para redução ou extinção do vício. Na psicoterapia é identificado a dependência, sua frequência e busca-se trazer à consciência a necessidade da prática da atividade ou do uso da substância, buscando a compreensão e formas de lidar para que o vício não volte a acontecer.

Yasmin Paciulo Capato

Yasmin Paciulo Capato é Psicóloga (CRP: 06 / 136448) clínica e atende as especialidade de Psicoterapia, Orientação Vocacional e Psicodiagnóstico na Clínica Vitalli.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: