Vinhos guardados há muito tempo

Guardar vinho é sempre uma boa opção?

Diz a lenda que vinho tinto com mais idade é melhor, assim como algumas pessoas. Enquanto que o vinho branco deve ser sempre mais jovem (assim como algumas pessoas) para não virar vinagre. Será que isso é sempre válido? De onde surgiu essa lenda?

É claro que nem sempre é válida essa afirmação. Tem vinhos tintos que ficam melhores se consumidos com pouco tempo de guarda e vinhos brancos que mesmo com 10 ou 20 anos se tornam ainda melhores.

Essa ideia já vem de longa data, na Grécia antiga, o vinho antigo era sinômino de status social. A Odisséia, de Homero, escrita no século VIII a.C., descreve a casa-forte do herói mítico Ulisses, “onde ouro e bronze estavam empilhados e havia roupas em arcas e bastante óleo perfumado, e também havia jarros de um vinho antigo de gosto adocicado, contendo a bebida divina, enfileirados contra a parede”.

No artigo na semana passada falei do lote de vinhos antigos que recebi para testar e ver quais ainda estavam bebíveis e, claro, aceitei o desafio. E só tinha um jeito de saber se estavam bons: abrir e provar.

vinho medrano cabernet sauvignon 2003

O critério foi ir do mais antigo para o mais recente. Comecei, então, pelo 2003. Um vinho debutante, digamos assim, com seus 15 aninhos. Um Cabernet Sauvignon de Mendoza. Infelizmente ao abrir, já pela rolha vi que não ia rolar. Uma leve cheirada me confirmou, mas mesmo assim, depositei um pouco na taça pra ver que gosto tinha um vinho nessas condições. E digo que não vale a pena provar.

vinho tuttobene toscana rosso igt 2006 - tenimenti angelini

Passei para um 2006, italiano da Toscana, vinícola Tenimenti Angelini, localizada em meios a famosos Chiantis da região de Montepulciano e Montalcino. É uma região que faz excelentes vinhos. A expectativa para que esse vinho estivesse em boas condições era grande, pois seria uma pena não ter provado um vinho desses. Ao abrir, a rolha estava boa, sem fissuras. O cheiro agradável. Nem tive dúvidas, enchi a taça e fui provar. Estava glorioso. O tempo de guarda para esse vinho fez bem e as uvas Sangiovese e Merlot deram uma cor rubi intensa, linda. Frutado e com toques de chocolate, estava redondo e equilibrado.

Santa Helana Reserva 2008

Um estragado e um bom. Para desempatar o jogo, restava o Santa Helena Cabernet Sauvignon Reserva 2008. Um produtor de vinho chileno bastante conhecido. Normalmente os vinhos que bebo dessa marca são com data bem mais próxima. Quase nunca guardo muito tempo um vinho. Ao sacar a rolha da garrafa de 10 anos, tudo em ordem. Cheiro bom, hora de degustar. Ao colocar na taça já percebi a cor e o corpo do vinho que estavam excelentes. Com um sabor ainda levemente adocicado, acidez correta e taninos persistentes, ao final deixa um leve amargor, com retrogosto de defumado e baunilha. Acredito que estava melhor agora do que em 2008.

Gostei bastante da experiência de degustar vinhos antigos, guardados. Não é algo que eu fazia, mas desde o ano passado comecei a guardar alguns exemplares específicos. Sem data certa para abrí-los, mas acredito que irei fazer antes de completarem 10 ou 15 anos de guarda. De qualquer forma, certamente irei comprar mais alguns vinhos para guardar por um certo tempo. A ideia, na verdade, é ter duas garrafas, uma para degustar enquanto jovem e outra para degustar depois de um tempo e poder fazer essa comparação.

Emir Freiberger

Formado em comunicação social com habilitação em jornalismo. Pós graduado em artes visuais, trabalha entre o mundo das artes e programação de sites e programas web.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *