Alimentos funcionais

Atualmente, a busca pela saúde através da alimentação tem crescido consideravelmente, e ouve-se cada vez mais o termo alimento funcional

Um alimento pode ser considerado funcional se for demonstrado que o mesmo pode afetar beneficamente uma ou mais funções alvo no corpo, além de possuir os adequados efeitos nutricionais, de maneira que seja tanto relevante para o bem-estar e a saúde quanto para a redução do risco de uma doença. Os alimentos funcionais fazem parte de uma nova concepção de alimentos que foi lançada no Japão na década de 80, através de um programa do governo que tinha como objetivo desenvolver alimentos saudáveis para uma população que envelhecia e apresentava uma grande expectativa de vida. A intenção era de adicionar na dieta alimentar, ingredientes naturais que deveriam apresentar funções específicas no organismo, como a melhoria dos mecanismos de defesa biológica, a prevenção ou terapia de alguma enfermidade ou disfunção, melhoria das condições físicas e mentais e do estado geral de saúde.

Esses alimentos devem apresentar propriedades benéficas além das nutricionais básicas, sendo apresentados na forma de alimentos comuns. São consumidos em dietas convencionais, mas demonstram capacidade de regular funções corporais de forma a auxiliar na proteção contra doenças como hipertensão, diabetes, câncer, osteoporose e cardiopatias. Alimentos funcionais são todos os alimentos ou bebidas que, consumidos na alimentação cotidiana, podem trazer benefícios fisiológicos específicos, graças à presença de ingredientes fisiologicamente saudáveis. Lembrando que é necessário que o consumo destes alimentos seja regular a fim de que seus benefícios sejam alcançados.

Inserir alimentos funcionais que apresentem um custo baixo para o consumo são medidas que podem ser adotadas mesmo por pessoas de baixa renda. Muitas vezes, as pessoas deixam de consumir esses produtos, por desinformação ou por acreditarem que são de custo elevado. Pode-se adotar o consumo de frutas e hortaliças, seguindo a safra onde o custo desses produtos é menor, os quais proporcionam muitos efeitos benéficos. Outro exemplo é o consumo de peixes como atum e salmão que nem sempre é acessível, por isso opções como sardinha podem ser adotadas com os mesmos benefícios.

Além disso, é importante que todos saibam que esses alimentos somente funcionam quando fazem parte de uma dieta equilibrada e balanceada. Segue abaixo uma tabela com alguns compostos funcionais, suas funções e fontes alimentares.

Composto

Ação

Alimentos onde é encontrado

Isoflavonas

Ação estrogênica (reduz sintomas da menopausa) e anti-câncer

Soja e derivados

Proteínas de soja

Redução dos níveis de colesterol

Soja e derivados

Ácidos graxos ômega-3

Redução do LDL – colesterol; ação anti-inflamatória.

Peixes marinhos como sardinha, salmão, atum, anchova, arenque, etc

Ácido a – linolênico

Estimula o sistema imunológico e tem ação antiinflamatória

Óleos de linhaça, colza, soja; nozes e amêndoas

Catequinas

Reduzem a incidência de certos tipos de câncer, reduzem o colesterol e estimulam o sistema imunológico

Chá verde, cerejas, amoras, framboesas, mirtilo, uva roxa, vinho tinto

Licopeno

Antioxidante, reduz níveis de colesterol e o risco de certos tipos de câncer, como de próstata

Tomate e derivados, goiaba vermelha, pimentão vermelho, melancia

Luteína e Zeaxantina

Antioxidantes; protegem contra degeneração macular

Folhas verdes (luteína). Pequi e milho (zeaxantina)

Indóis e Isotiocianatos

Indutores de enzimas protetoras contra o câncer, principalmente de mama

Couve flor, repolho, brócolis, couve de bruxelas, rabanete, mostarda

Flavonóides

Atividade anticâncer, vasodilatadora, anti-inflamatória e antioxidante

Soja, frutas cítricas, tomate, pimentão, alcachofra, cereja

Fibras solúveis e

insolúveis

Reduz risco de câncer de cólon, melhora o funcionamento intestinal.

Cereais integrais como aveia, centeio, cevada, farelo de trigo, etc; leguminosas como soja, feijão, ervilha, etc.; hortaliças com talos e frutas com casca

Prebióticos – frutooligossacarídeos, inulina

Ativam a microflora intestinal, favorecendo o bom funcionamento do intestino

Extraídos de vegetais como raiz de chicória e batata yacon

Sulfetos alílicos (alilsulfetos)

Reduzem colesterol, pressão sanguínea, melhoram o sistema imunológico e reduzem risco de câncer gástrico

Alho e cebola

Tanino

Antioxidante, antisséptico, vasoconstritor

Maçã, sorgo, manjericão, manjerona, sálvia, uva, caju, soja

Probióticos – Bífidobacterias e Lactobacilos

Favorecem as funções gastrointestinais, reduzindo o risco de constipação e câncer de cólon

Leites fermentados, Iogurtes e outros produtos lácteos fermentados

Renata Dessordi

Renata Dessordi é nutricionista formada pela Universidade de Ribeirão Preto, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva. Mestra em Alimentos e Nutrição pela Unesp. Doutoranda em Alimentos e Nutrição pela USP/Unesp. Auriculoterapeuta Francesa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: